Curta nossa página

Fala e comportamento

Uso excessivo de eletrônicos por crianças pode gerar problemas

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Pixabay
Camila Muguruza

Celulares ligados, olhos atentos na telinha, crianças conectadas ao mundo virtual e a consequente calmaria dá aos pais alguns minutos e até horas de tranquilidade. Seja durante o jantar, em restaurantes ou mesmo em casa, não é difícil ver por aí crianças com smartphones nas mãos. O aparelho que muitas vezes não é utilizado para a comunicação, vira uma ferramenta de diversão. Aplicativos de jogos e vídeos voltados para o público infantil se tornaram grandes atrativos tanto para os pequenos, quanto para os pais, que recorrem aos artigos tecnológicos, na hora de acalmar os filhos.

E em tempos de pandemia, o home office se tornou uma alternativa para muitos setores. Para os pais que precisam se dividir entre o trabalho e a atenção aos filhos, os recursos eletrônicos podem ser uma forma de entreter as crianças por alguns minutos, porém é preciso cuidado e atenção para evitar o desencadeamento de problemas no desenvolvimento infantil, como a fala.

Os problemas na fala podem ser motivados por disfunções neurológicas, físicas ou emocionais. No caso do uso excessivo de artigos tecnológicos, a fonoaudióloga, Ana Cristina Altfuldisck, da Clifops (Clínica de Fonoaudiologia e Psicologia), explica que esse hábito pode ser um grande limitador no desenvolvimento da fala infantil, tendo em vista que as crianças utilizam o método de imitação da fala humana para compreender e desenvolver vocabulário.

“Os sons nessas mídias são muito competitivos, mesmo que seja um desenho educativo, entre o diálogo dos personagens existe um fundo musical. Então, fica muito confuso para que a criança diferencie isso. Nesse sentido, ela não consegue fazer uma cópia para a verbalização. Além disso, hoje em dia, as crianças recebem esses estímulos eletrônicos de forma muito prematura, e isso gera uma ansiedade, uma irritabilidade que faz com que a criança se expresse através do choro”, completa Ana.

Uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, revelou que em 2019 o país teve 430 milhões dispositivos digitais ativos, incluindo computadores, notebooks, celulares e tablets. Isso representa dois artigos eletrônicos por habitantes. Em destaque estão os smartphones: no total são 230 milhões aparelhos ativos no país

Impactos sociais

A Psicóloga Clínica, Flávia Lisbôa, que também atende na Clifops, conta que além do isolamento, a criança pode acabar tendo comportamentos agressivos e intolerantes. Segundo a especialista, o uso excessivo de aparelhos celulares pode resultar na ausência de concentração e atenção ocasionando a consequente queda do rendimento escolar.

“Alguns estudos mostram que crianças e adolescentes que passam muitas horas conectadas em jogos, aplicativos e redes sociais, não estão conseguindo identificar sentimentos como empatia, compaixão e outros aspectos de convivência em grupo”, completa a psicóloga.

Além do uso excessivo de artigos tecnológicos, outros fatores podem se tornar gatilhos na hora do desenvolvimento da fala. Entre eles estão: falta de estímulo, dificuldades auditivas, características genéticas ou determinadas patologias. Quando não tratados, esses problemas podem se tornar um inimigo e atrapalhar o desenvolvimento social de crianças e jovens.

Mas há alternativas. Neste momento, o apoio de profissionais pode ser um grande aliado para adaptar a rotina dos pais e das crianças, levando em conta a realidade de cada família. Como alternativa, as especialistas destacam atividades como desenho, pintura, modelagem de massinha, jogos de encaixe e leitura de livros.

E para garantir o atendimento e o suporte profissional aos seus pacientes, a Clínica Clifops adaptou as consultas para o meio online.

Melanoma

Junho Preto: mês é dedicado à luta contra o câncer de pele

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O câncer é a segunda causa de morte por doenças no Brasil atrás apenas das enfermidades do aparelho circulatório. O mais incidente na população é o câncer de pele que corresponde a média de 30% dos casos registrados. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima-se mais 90 mil novos casos da doença só em 2020. Apesar de ser o menos frequente, o melanoma é o mais agressivo de todos e apresenta alta taxa de mortalidade. Com o objetivo de conscientizar a população sobre a doença e fazer um alerta para a importância do diagnóstico precoce foi criado o Junho Preto.

O câncer de pele melanoma tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e é mais frequente em adultos brancos. O melanoma pode aparecer em qualquer parte do corpo, na pele ou mucosas, na forma de manchas, pintas ou sinais. Nos indivíduos de pele negra, ele é mais comum nas áreas claras, como palmas das mãos e plantas dos pés. O câncer é o tipo mais grave, devido à sua alta possibilidade de provocar metástase (disseminação do câncer para outros órgãos).

Quando detectado em sua fase inicial, as chances de cura da doença são de mais de 90%. Por este motivo, é essencial o acompanhamento médico quando for detectada qualquer lesão suspeita, pois apenas o exame clínico ou a biópsia podem diagnosticar o câncer de pele.

“Se o paciente se apresenta no consultório com alguma suspeita é o profissional de dermatologia que faz o diagnóstico precoce da doença. Com o auxílio de aparelhos e exames específicos são examinadas todas as lesões com pequenas alterações e que, provavelmente, virão a se tornar um melanoma”, explica o dermatologista, Erasmo Tokarski, que atua na área da Dermatologia, Estética e Cirúrgica há mais de 30 anos.

Além do diagnóstico, o dermatologista também é profissional responsável pelo tratamento e acompanhamento da doença junto ao paciente.

Prevenção e tratamento

Assim como com os outros tipos de câncer de pele, a melhor forma de prevenção ao melanoma é evitar a exposição ao sol no período em que os raios são mais intensos (entre 10h e 16h). Além disso, recomenda-se o uso de proteção adequada, como protetor solar no corpo, rosto e lábios e o uso de roupas, bonés ou chapéus de abas largas, óculos escuros com proteção UV, sombrinhas e barracas.

A cirurgia é o tratamento mais indicado nos tumores iniciais, mas há também cuidados com quimioterapia, radioterapia e imunoterapia. Por ser um tipo de câncer de pele mais grave, nem sempre é possível atingir a cura do melanoma, especialmente quando o tumor é identificado numa fase muito avançada. A estratégia de tratamento para a doença em casos mais graves é amenizar seus efeitos e oferecer chance de sobrevida mais longa aos pacientes.

“Caso o melanoma se dissemine para outras partes do corpo, o que é chamado de metástase, o oncologista também é inserido no tratamento deste paciente. É ele que entra com a terapia quimioterápica no processo contra a doença. Os tratamentos ajudam a reduzir os sintomas e a aumentar a expectativa de vida dos pacientes”, pontua.

Continuar lendo

Juntos somos mais fortes

Idoso de 92 anos com problemas renais e pulmonar vence a Covid

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Reprodução

Recuperado da Covid-19, o aposentado Ângelo José de Oliveira, de 92 anos, tem motivos para comemorar. Após ficar 19 dias internado na UTI do Hospital Daher, ele venceu a doença e já voltou para o aconchego do lar. Ainda que afastado da família, ele está isolado em um quarto enquanto se recupera da longa internação. O contato com a família, que festejou a vitória, até mesmo com o filho Carlos Gomes de Oliveira, que mora na mesma residência, ocorre por ligação de vídeo. Tudo para manter o patriarca em um ambiente calmo, seguro e protegido.

Ângelo tem comorbidades como doença de chagas, doenças renais e doença pulmonar crônica e faz parte dos 6.931 recuperados, conforme o último boletim da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Ele deu entrada, inicialmente, no Hospital Regional de Santa Maria, no dia 14 de maio. No dia seguinte, ele foi transferido para um leito de UTI contratado pela Secretaria de Saúde no Daher. A família acompanhava apreensiva, à distância, devido ao protocolo hospitalar, as notícias do pai enquanto esteve no hospital.

O filho Carlos agradeceu a assistência recebida nas duas unidades de saúde. “Desde a entrada no Hospital Regional de Santa Maria, até a ida para o Daher (em leito contratado pela SES), fomos muito bem tratados e acolhidos. Só tenho a agradecer a todos que cuidaram dele. Fica aqui o meu reconhecimento”, disse em agradecimento aos “heróis da saúde”.

Carlos lembra que o pai chegou a ser entubado na UTI e que os momentos de aflição ficaram no passado e que “agora é só alegria para os cinco filhos, netos e bisnetos”.

A equipe da rede pública de saúde permanece monitorando o senhor Ângelo e está em contato com a família.

Mais recuperados

Outros quatro pacientes também celebraram a vitória e receberam alta do Hospital Regional da Asa Norte e mais sete no Hospital de Campanha do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Continuar lendo

Sanear DF

Samambaia recebe força-tarefa contra o coronavírus (Covid-19)

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Divulgação

Três palavras definiram uma ação conjunta entre os órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF), nesta quinta-feira (4) em Samambaia: sanitização, conscientização e distribuição.

Por ser uma das cidades com o maior número de casos, o programa Sanear DF, coordenado pela Secretaria Executiva das Cidades, da Secretaria de Governo e a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) estiveram em todas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e nas estações de metrô Furnas, Samambaia Norte e Samambaia Sul, para realizar a higienização desses locais.

Os espaços foram escolhidos por concentrar uma movimentação grande de pessoas, que tem sido o objetivo do programa, segundo o diretor da Dival, Edgar Rodrigues. “Estamos nos reunindo para dar apoio a todas RA’s. Levando saúde e informações para as pessoas, respeitando esse momento.. Mas sem a ajuda da população não vamos vencer essa guerra”, conta Edgar.

O cronograma dos serviços chegou até o administrador da região, Gustavo Aires, que pontuou a importância do Sanear nesse momento em que Samambaia está com um aumento no número de infectados pelo vírus. “Sabemos da realidade que temos enfrentado e o governador Ibaneis Rocha tem mandado reforço constante para conscientizarmos a população. E um desses programas é o Sanear, que higienizou lugares essenciais pra gente”, agradeceu Aires.

Presença do Exército

Desde quando a pandemia foi declarada, os setores da saúde receberam os militares do Exército para realizarem a higienização, como a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) e o Hospital Regional de Samambaia (HRSam). Essa atividade foi concretizada para atender os pedidos dos profissionais de saúde e pacientes, por serem locais vulneráveis em relação a Covid-19.

Entrega de máscaras

No mesmo dia, houve a continuação da entrega de máscaras, que já tem acontecido há um mês. A administração regional de Samambaia em conjunto com DF Legal, Corpo de Bombeiros,Polícia Militar, Dival e demais envolvidos estiveram nas quadras 300 e 500 de forma a disponibilizar a proteção para os moradores e comerciários.

Além disso, somente na última quarta-feira (3), os residentes dos Morros do Sabão e Macaco receberam pelas mãos dos servidores da regional, 6 mil máscaras, fora as mais de 15 mil que já foram entregues para a população.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2020 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agências Internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #FakeNewsNão