Curta nossa página

Segurança eletrônica

Tecnologia: condomínios estão aderindo cada vez mais ao Porteiro Remoto

Publicado

Foto/Imagem: Shutterstock


Imagine um sistema automatizado de segurança patrimonial, integrando inteligência artificial, controle de trancas e portas, tudo isso monitorado por profissionais especializados através de um sistema de câmeras de segurança. Pois é, ele já existe e há bastante tempo. O Porteiro Remoto, que está na preferência de 220 condomínios no Distrito Federal, segundo levantamento da Portech – empresa especializada em segurança eletrônica. Por ser mais barato, o serviço alcança condomínios de vários perfis econômicos e estruturais.

De acordo a Associação Brasileira de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese), em 2019, o Brasil possuía 300 mil condomínios em funcionamento, porém, apenas 20 mil eram atendidos de forma remota. Entretanto, com a possibilidade de reduzir entre 50 e 70% dos gastos em um condomínio convencional, as estimativas para uma rápida expansão são animadoras.

Segundo o engenheiro de controle e automação, Daniel Boaventura, “com as tecnologias empregadas, o porteiro remoto tem total controle do condomínio, conseguindo abrir e fechar portas e portões, acionar alarme de incêndio, além de conseguir falar com apartamentos como se estivesse dentro do condomínio. O uso de inteligência artificial auxilia o porteiro remoto a tomar as melhores decisões, ajudando-o a enxergar o que sozinho ele não conseguiria. Por exemplo, o sistema consegue gerar um alarme quando uma pessoa entra andando pelo portão de veículos, o que poderia comprometer a segurança do condomínio”, explica o engenheiro.

No aspecto da economia, a portaria remota tem conquistado os bolsos de muitos administradores de condomínios residenciais no DF. É que garante o Fabiano Santos, síndico em um condomínio residencial em Águas Claras. “Em 24 meses, tivemos uma economia de quase R$ 200 mil”. Além disso, para Santos, o uso da tecnologia trouxe um aumento da segurança “agora temos imagem e o cadastro do visitante ou prestador de serviço, sem contar que hoje temos 100% do cadastro atualizado dos moradores”.

Novos tempos

E a inovação também é garantida no mercado de trabalho. Quem trabalhou como porteiro convencional agora pode se qualificar para atuar junto à ferramenta eletrônica. Foi o que aconteceu com Paulo Henrique de Araújo, morador do Riacho Fundo, que atuou como porteiro, entre 2015 e 2017 e constatou que com o uso da inovação no setor haveria necessidade de se qualificar. “Trabalhando como porteiro verifiquei que com a chegada da tecnologia, percebi que o setor iria aprimorar o trabalho e por isso, resolvi fazer cursos no segmento. Trabalhei numa empresa fazendo manutenção e surgiu a oportunidade de trabalhar com a portaria remota, em 2018”, conta.

Paulo explica que se sentia em situações de vulnerabilidade em seu antigo posto de trabalho, como em um momento que no período noturno sofreu ameaças de morador com chutes na porta da guarita, “fiquei muito vulnerável e quando passei para portaria remota, esses riscos são diminuídos”, defende. Além disso, o profissional enaltece que migrar para portaria remota trouxe possibilidades de crescimentos financeiros e profissionais. “Quando era porteiro, eu pagava prestação da minha casa e as contas mensais que o salário dava para pagar, tinha uma condição financeira muito apertada. Ao migrar para portaria remota, além de ter mais segurança, a minha situação financeira melhorou consideravelmente. Hoje, consegui adquirir o meu veículo próprio, e antigamente eu andava somente de ônibus”, afirma.

Realizado com o novo momento da profissão, ele faz um alerta. “Posso dizer pela minha própria experiência que a portaria remota não veio para prejudicar. No início parece complicado, mas a pessoa se aperfeiçoando, é possível conseguir emprego. No condomínio que eu trabalho, por exemplo, todos os porteiros que trabalhavam presencialmente foram contratados para atuar na portaria remota”.

Para o motorista de ônibus e morador de um condomínio que já aderiu esse serviço desde 2015, Neuson Alves, a maior vantagem é o custo-benefício para os moradores, com a redução de quase 60% na taxa de condomínio. “Temos um monitoramento 24 horas e o suporte profissional que faz a ronda, com todo esse apoio que gera segurança, defende.

Projeto de Lei

Entretanto, o deputado distrital Robério Negreiros (PSD) quer tornar obrigatória a presença de um porteiro ou vigilante em todos os prédios e condomínios do Distrito Federal, por meio do Projeto de Lei 1203/2020. A proposta foi aprovada pela Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) e foi encaminhada para o Palácio do Buriti para ser sancionado.

A deputada Júlia Lucy (Novo) votou contra a proposta e defendeu que cabe ao condomínio decidir se opta por um porteiro convencional ou uma solução eletrônica. “Não vamos criar aqui um reserva do mercado. Não vamos obrigar os condomínios a se adequarem a essas normativas, uma vez que os custos dessa mudança serão repassados aos condôminos, que já pagam muita coisa. Não podemos legislar sob o particular”, argumentou.

Atualizado em 04/11/2020 – 12:40.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Segurança Pública

DF tem segunda melhor média de policiais por habitante do país

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
Segurança Pública DF
Foto/Imagem: André Feitosa/Ascom SSP-DF

Estudo divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública na última terça-feira (27) aponta que no Distrito Federal há 6,6 policiais militares para cada mil habitantes. O número coloca a capital do país como a segunda unidade da federação detentora de melhor média, ficando atrás apenas do estado do Amapá, e superando, inclusive, a proporção nacional, que é de dois policiais militares/mil habitantes.

Os índices do DF também são superiores ao de outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, a proporção média varia de 1,8 a 2,6, segundo dados disponibilizados pela Associação Internacional de Chefes de Polícia. As informações constam no Raio-X das Forças de Segurança Pública.

Os bons números são possíveis graças ao investimento constante do Governo do Distrito Federal (GDF) e da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) para reforçar o quadro de das forças de segurança pública da capital federal. Desde 2019, o Executivo nomeou cerca de 4 mil homens e mulheres para os quadros da pasta.

“A recomposição do efetivo das forças de segurança do DF e a criação de estratégias que minimizem esse impacto aos serviços prestados à sociedade têm sido prioridades para o governo do DF e para a nossa gestão. Existe a previsão do ingresso de cerca de 3 mil policiais e bombeiros”, enfatiza o secretário de Segurança Pública do DF, Sandro Avelar.

O GDF também empenha recursos em tecnologia, inteligência e capacitação, coordenando ações com diferentes setores do governo e da sociedade, visando melhorar o serviço prestado à sociedade. O investimento já trouxe resultados: em 2023, o DF atingiu o menor índice de homicídios dos últimos 47 anos, com taxa de 9,1 homicídios por grupo de 100 mil habitantes – o mais baixo desde 1977, que teve 14 casos por grupo de 100 mil.

Outra política pública de destaque no âmbito da segurança pública é a criação do Programa de Videomonitoramento Urbano (PVU) que agora atende a 29 regiões administrativas (RAs) do Distrito Federal. Já são mais de 1,1 mil câmeras instaladas pelas vias públicas, que permitem o monitoramento integrado entre as forças de segurança e outros 30 órgãos, bem como instituições e agências dos governos local e federal.

Só no ano passado, o GDF investiu R$ 14.207.991,79 no programa, e, para 2024, a SSP-DF pretende investir mais R$ 5.330.189,59. O programa está inserido no contexto do eixo Cidade Mais Segura, do DF Mais Seguro – Segurança Integral.

Mais nomeações

Além de reforço na segurança, as nomeações promovidas pelo GDF também objetivam contrabalancear a evasão de agentes que têm solicitado aposentadoria nos últimos anos e o aumento da população do DF e do Entorno. Em 2014, a capital contava com 15 mil policiais militares e 5 mil civis na ativa. Atualmente, o efetivo é de 10 mil e 3 mil, respectivamente.

Avelar destaca ainda que, no Distrito Federal, as forças de segurança possuem situação peculiar às outras unidades da federação. “Por se tratar da capital do país, onde acontecem, por exemplo, diversas manifestações e eventos de caráter político, nossa atuação se dá nas esferas nacional e até internacional, no suporte a órgãos e autoridades federais e corpo diplomático, por exemplo”, explica o titular da pasta.

A redução do efetivo, contudo, não é uma exclusividade do DF. Ainda conforme o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil tem 69,3% das vagas existentes para policiais militares preenchidas. Atualmente, o país possui 404.871 policiais militares, 95.908 policiais civis e 17.991 peritos criminais na ativa.

Segundo a Polícia Militar do DF (PMDF), de 2018 até hoje, 3.434 policiais foram para a reserva remunerada (aposentados) e mais 399 contando exclusões, saídas para outros órgãos, desligamentos, totalizando 3.833 policiais.

A PMDF afirma que há previsão de inclusão de novos policiais para o biênio 2024-2025, na ordem de 869 para contratação imediata e 1.422 para cadastro reserva, perfazendo um total de 2.291 vagas.

Na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), está em andamento concurso para agente de polícia, com previsão inicial de 600 vagas para contratação direta, além de 900 vagas para cadastro reserva, além de concurso para escrivão de polícia, com previsão inicial de 300 vagas. Em dezembro do ano passado foram nomeados 100 escrivães de polícia e 200 agentes de polícia.

Atualizado em 01/03/2024 – 11:21.

Continuar lendo

Inscrições abertas

Universidade Católica oferece curso gratuito de informática para idosos

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
informática para idosos
Foto/Imagem: Freepik

A Universidade Católica de Brasília (UCB) está com inscrições abertas para curso básico de informática destinado a idosos com 60 anos ou mais. As aulas são ministradas aos sábados, das 9h às 12h, ao longo do primeiro semestre. Os interessados devem se cadastrar até o dia 23 de fevereiro por meio deste link.

Com previsão de início para 16 de março, o curso terá abordagem acerca da desinformação, fake news e ferramentas do Google; estudo sobre sistemas operacionais, com foco no Windows; e módulos com enfoque em Internet, aparelhos de celular e em ferramentas como Word, Excel e Power Point. Para receber o certificado, os alunos precisam ter frequência de pelo menos 75% e efetuar uma avaliação geral do curso ao final. Coordenado por um docente da UCB, o curso gratuito de informática para idosos contará com o auxílio de coordenadores e monitores estudantes. O encerramento do curso está previsto para o dia 6 de julho.

Atualizado em 28/02/2024 – 09:09.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana