Curta nossa página

Reabastecendo os estoques

Secretaria de Saúde recebeu 15 mil doses da vacina Pentavalente

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Breno Esaki/Saúde-DF
Nivania Ramos

Segue a gente no
Google News

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal recebeu 15 mil doses da vacina Pentavalente, enviadas pelo Ministério da Saúde. Ainda serão disponibilizadas mais 15 mil doses, segundo informações do próprio ministério. Os estoques das salas de vacinas serão reabastecidos ao longo desta semana.

O consumo mensal da vacina gira em torno de 11 mil doses no Distrito Federal. Porém, com o desabastecimento, registrado desde agosto de 2019, a quantidade disponibilizada não será suficiente para repor todo o estoque. Seriam necessárias cerca de 40 mil doses para atender toda a demanda reprimida por causa da interrupção.

A distribuição não tem regiões prioritárias e é feita com base na média de consumo mensal de cada região de saúde.

A vacina garante proteção contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções causadas pelo Haemophilus influenzae tipo B, além da hepatite B. A vacina é aplicada em bebês aos dois, quatro e seis meses de vida.

“É muito importante que todos estejamos vacinados não só para nos protegermos, mas para proteger toda a população, evitando que doenças já controladas voltem a atingir as pessoas”, destaca o diretor de Vigilância Epidemiológica, Cássio Peterka.

Dados parciais mostram que, de janeiro a dezembro de 2019, 30.364 crianças tomaram a primeira dose da vacina. A criança que tomou a primeira ou a segunda dose deve completar o esquema com a terceira dose.

Publicidade

Em tempo real

IGESDF inaugura central de comando para hospitais e UPAs

Redação

Publicado

Por

Redação
Central de Comando IGESDF
Foto/Imagem: Davidyson Damasceno/IGESDF

Foi inaugurada nesta quarta-feira (12) a Central de Comando do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGESDF), estrutura de tecnologia avançada que vai permitir o monitoramento, em tempo real, das unidades administradas pelo instituto – Hospital de Base (HB), Hospital Regional de Santa Maria (HRSM) e as seis unidades de pronto atendimento (UPAs). A infraestrutura tecnológica teve um investimento de R$ 2,984 milhões e é composta por telão, duas telas menores e seis computadores.

A inovação permitirá monitorar mais de 200 indicadores em painéis. Por exemplo, a taxa de ocupação de leitos de UTI e de enfermaria, a produtividade dos profissionais, a quantidade de internados, o fluxo de serviços ambulatoriais e dados sobre atendimentos (consultas, exames, transferências etc).

É possível, por exemplo, alertar gestores a respeito de pacientes com permanência acima do previsto, pacientes sem prescrição e até pacientes com riscos assistenciais. Para facilitar o entendimento diante da infinidade de indicadores, o gestor em questão também terá alertas sobre faturamento, ciclo financeiro, suprimentos e outros que promovam mais segurança e qualidade em saúde.

“Essa é uma solução tecnológica que vai permitir ao instituto fazer o acompanhamento sistemático, monitoramento e um conjunto de ações que serão executadas pelas unidades. Neste sentido, são indicadores técnicos, táticos e operacionais, usados para avaliar como estão as ações e indicando quando é necessário intervir, adotando medidas rápidas e necessárias para elevar a qualidade do atendimento”, ressaltou o diretor-presidente do IGESDF, Sergio Costa.

Durante a pandemia, Sergio Costa ressaltou ainda que a iniciativa contribuirá para fortalecer o monitoramento das ações voltadas ao atendimento de pacientes com a Covid-19 – altas, ocupação de leitos e recuperação de pacientes, mortalidade e tempo de internação, por exemplo, em análises feitas por um conjunto de especialistas.

O secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo, ressaltou que o instituto e a secretaria estão constantemente em busca de soluções tecnológicas para melhorar o serviço prestado à população. “Precisamos fazer a comunicação com a população, informatizar e expandir o modelo de gestão. Então, isso faz parte do processo de expansão que tem avançado em várias áreas. E, com a pandemia, precisamos dar respostas mais rápidas”, concluiu.

Estrutura

A solução tecnológica conta com um videowall com seis telas, seis profissionais capacitados do IGESDF, seis computadores e duas telas para estudo de casos.

O videowall é uma tecnologia que consiste em uma rede de telas digitais gerenciadas de forma centralizada, integradamente, e programáveis para exibir informações por meio de painéis de gestão – janelas digitais que alcançam todas as unidades administradas pelo IGESDF.

Treinamento

No total, até 50 colaboradores serão treinados para monitorar eventos e indicadores de gestão, além de operar equipamentos, em que que seis colaboradores integrarão a Gerência de Resultados e serão treinados durante uma semana, por 20 horas. Os outros 44 receberão duas horas de capacitação, que começou nesta quarta-feira (12).

Funcionamento

A estrutura faz parte do mais inovador suporte de gestão em Saúde. Com o uso de tecnologia baseada em algoritmos e inteligência robotizada que se comunica com sistemas de gestão (Enterprise Resource Planning – ERP), uma equipe de médicos, enfermeiros, farmacêuticos, bioquímicos e especialistas em TI, faturamento, finanças e contabilidade estará à frente de uma grande central de informações.

A partir do monitoramento em tempo real das rotinas operacionais, a central de comando identifica os desvios dos padrões previamente estabelecidos e realiza a comunicação imediata da ocorrência, para que as correções necessárias sejam efetuadas. O acompanhamento dos processos se dá dentro da produtividade, do volume, do investimento e da qualidade.

Continuar lendo

Rede Pública de Saúde

UBSs da Região Oeste oferecerão teste sorológico para Covid-19

Redação

Publicado

Por

Redação
teste sorológico covid-19
Foto/Imagem: Breno Esaki/Agência Saúde

A partir desta quarta-feira (12), todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da Região de Saúde Oeste – que engloba Ceilândia, Brazlândia e Sol Nascente/Pôr do Sol – irão oferecer os testes sorológicos para detecção da Covid-19. Desde o dia 4 de agosto, a Rede Pública de Saúde do Distrito Federal oferece esse tipo de teste. No entanto, as UBSs dessas regiões recebiam os pacientes e, quando recomendado esse tipo de exame pelos profissionais das unidades, eles eram referenciados para coletar o sangue nos hospitais da Região Oeste.

Todas as Unidades Básicas de Saúde do DF estão abastecidas com o exame RT-PCR (swab nasal), feito a partir da coleta de material da mucosa do fundo do nariz utilizando um cotonete. A Secretaria de Saúde lembra que todos os exames são feitos em pacientes com sintomas da doença e a partir da avaliação dos profissionais que atuam nas UBSs. Cada tipo de exame é recomendado para períodos distintos do surgimento dos sintomas.

Além das unidades da Região Oeste, o exame sorológico já está disponível em todas as unidades das Regiões de Saúde Norte, Central, Centro-Sul e Leste.

Nas Regiões de Saúde Sul e Sudoeste, os testes são feitos nas seguintes unidades:

locais teste sorológico covid-19 DF

Quem reside nas regiões Sul e Sudoeste deve procurar a Unidade Básica de Saúde referência de sua quadra e, caso essa UBS não faça o teste, haverá o encaminhamento para fazê-lo em outra unidade, ou hospital.

RT-PCR

O teste RT-PCR, considerado pelos especialistas a técnica padrão ouro no diagnóstico da doença, é recomendado no início da infecção, em pacientes que apresentam sintomas a partir do terceiro dia até o sétimo. É nesse período em que há maior quantidade do novo coronavírus no organismo.

Sorológico

O teste sorológico é feito a partir da coleta de sangue venoso em um frasco para que a amostra seja processada em centrífuga de laboratório. O resultado é obtido a partir de 48 horas da coleta. A equipe da UBS referência da região de residência entrará em contato, por telefone, para informar o resultado, como já é feito com os testes RT-PCR.

Esse exame é indicado a partir do décimo dia dos sintomas, porque a produção de anticorpos IgM contra a Covid-19, pelo organismo começa entre o sétimo e o décimo dia após a exposição viral, sendo o décimo quarto o pico do nível de IgM, que começa a diminuir posteriormente.

Por isso, é orientado que as coletas com esse tipo de exame ocorram, preferencialmente, nesse período após a exposição viral, em que há maior concentração desse anticorpo.

Os testes sorológicos foram doados à Secretaria de Saúde pela Receita Federal e passaram por testes antes de serem distribuídos aos laboratórios da Rede Pública de Saúde do DF. Uma amostra dos testes foi encaminhada para análise no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (INCQS/Fiocruz), para avaliação da marca.

As unidades testadas apresentaram desempenhos de sensibilidade e especificidade satisfatórios, conforme laudo encaminhado à Secretaria de Saúde. Dessa forma, estão de acordo com os valores declarados pelo fabricante, que são: sensibilidade de 91,29% (variando entre 87,58% e 94,18%); especificidade de 98,34 % (variando entre 95,81 e 99,55%).

Continuar lendo

80 mil testes liberados

Lacen zera fila de resultados de exames para detectar Covid-19

Redação

Publicado

Por

Redação
gdf covid-19 lacen
Foto/Imagem: Breno Esaki/Agência Saúde

Graças à força-tarefa promovida por servidores durante este fim de semana, o Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen-DF) conseguiu zerar a fila de 3,8 mil exames RT-PCR pendentes de resultado para detectar casos suspeitos da Covid-19. Mais do que isso, os esforços levaram o laboratório a atingir a marca de 80 mil testes liberados desde o início da pandemia, em março, até esta segunda-feira (10).

A equipe é formada por aproximadamente 50 servidores, que possibilitam ao Lacen funcionar 24 horas por dia, durante toda a semana. Mas, desde a última sexta-feira (7), em torno de 35 profissionais se comprometeram exclusivamente a zerar a fila.

“Somente ontem [9] foram quase 2 mil exames liberados. Vários servidores se disponibilizaram a vir no fim de semana, fora de suas escalas e independentemente de carga horária contratual, com esse objetivo de zerar essas amostras represadas”, afirmou o gerente de Biologia Médica do Lacen-DF, Fabiano Costa.

Com os profissionais a postos, todos os equipamentos do Lacen-DF para testes ficaram direcionados no fim de semana para entregar os resultados dos exames de coronavírus pendentes. Assim, ao longo de três dias, quase 5 mil amostras foram liberadas.

“Seria impossível atingir a marca de 80 mil exames se não fosse essa força-tarefa e a dedicação dos servidores”, agradeceu o gerente.

Novo protocolo

Além disso, o Lacen-DF também desenvolveu e aprimorou um novo protocolo de extração interno, para dar respostas mais céleres aos casos suspeitos de Covid-19. Tudo isso graças à equipe de Biologia Molecular, que, além de realizar o diagnóstico, desenvolveu a técnica que possibilitou aumentar a média diária de exames RT-PCR.

Neste protocolo, determinado volume do reagente de extração é pipetado (levado de um recipiente a outro) em placa de PCR, seguido da adição da amostra. Essa placa passa por uma etapa de variação de temperatura em termobloco e gelo, depois submetida à RT-PCR.

Essa técnica permite um resultado mais rápido e com menor custo. Surgiu devido à alta demanda por testes para diagnosticar a Covid-19 e a dificuldade mundial em adquirir os kits para extração automatizada de ácidos nucleicos, que é etapa inicial do processo de detecção molecular do vírus Sars-CoV-2, essencial em exames do tipo RT-PCR.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2020 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agências Internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #FakeNewsNão