Curta nossa página

43 mortes em 2019

Saúde deve adotar 14 medidas preventivas contra a dengue

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Andre Borges/Agência Brasília


Em 2019, o Distrito Federal perdeu a batalha contra o Aedes aegypti. Foram 43 mortes em virtude da dengue. Para que o cenário não se repita na próxima temporada de chuvas, a Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus) expediu, na terça-feira, 11 de setembro, recomendação à Secretaria de Saúde para que adote 14 medidas para o combate do mosquito que, além de dengue, pode transmitir zika e chikungunya.

O documento é dividido em três eixos: combate ao mosquito, levantamento de dados e informações epidemiológicas e assistência à saúde. O governo terá 30 dias corridos para encaminhar o plano de ação, com o respectivo cronograma, para o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

O trabalho preventivo consiste no enfrentamento do vetor – o mosquito Aedes aegypti – e seus criadouros, em períodos epidêmicos e não epidêmicos, com visitas em casas; pontos estratégicos, como ferros-velhos, rodoviárias, áreas públicas e cemitérios; e imóveis especiais, como escolas, clubes e hospitais. Nesse aspecto, a Secretaria de Saúde deve aprimorar a fiscalização dos agentes de campo para evitar a marcação de visita fictícia, bem como adotar medidas necessárias, inclusive judiciais, em relação aos criadores reincidentes do mosquito em seus imóveis e residências.

Em relação aos dados epidemiológicos, deve-se aprimorar as notificações compulsórias no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan Online) e as investigações de casos suspeitos. Esse levantamento será importante para análise e estudos que servirão como base para a tomada de decisão dos gestores públicos. A Secretaria de Saúde também deverá articular parcerias com órgãos públicos, setor privado e sociedade civil organizada, além de sistematizar as atividades de mobilização social, educação em saúde e comunicação.

Autorização judicial

Em 9 de setembro, a 3ª Vara de Fazenda Pública do DF permitiu que os agentes de saúde do DF, no estrito cumprimento de atividades de combate ao mosquito, devidamente identificados, inclusive por meio de crachá e roupas adequadas, possam ingressar nos imóveis abandonados, fechados ou naquele cujo acesso for recusado pelo proprietário, possuidor ou ocupante, nos limites territoriais do Distrito Federal. A autorização é válida por um ano, contados a partir de 10 de setembro de 2019 a 10 de setembro de 2020.

Confira aqui a íntegra da recomendação.

50 foram descartados

Brasil monitora apenas um caso suspeito do novo coronavírus

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Getty Images

Caiu para um o número de casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus monitorado pelo Ministério da Saúde no Brasil. O caso, que era considerado suspeito no Rio Grande do Sul, foi descartado e apenas o de São Paulo continua em investigação. Ao todo, até o momento, 50 casos suspeitos foram descartados após exames laboratoriais apresentarem resultados negativos para o novo coronavírus. O Brasil permanece sem registro da circulação do novo coronavírus.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, destacou o perfil da mortalidade causada pelo novo coronavírus China. “Os casos graves e mortes na China estão concentrados em pessoas acima de 60 anos de idade. A mortalidade em crianças é muito baixa, diferente até do comportamento que normalmente a gente tem com o vírus Influenza aqui no Brasil, em que existe dois extremos de maior letalidade: as crianças e os idosos e, entre eles, as pessoas que têm alguma comorbidade, como doenças respiratórias. No caso do novo coronavírus, a mortalidade está concentrada nas pessoas que estão acima dos 60 anos. Este controle é importante para nós nos prepararmos para caso haja a circulação do vírus no Brasil”, informou o secretário, concluindo que as ações do Brasil devem ser primeiramente focadas nos idosos.

Os dados são do último balanço divulgado pela pasta nesta quinta-feira (20), com base nas informações repassadas pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde. Todas as notificações de casos suspeitos no país foram recebidas, avaliadas e discutidas com especialistas do Ministério da Saúde, caso a caso, junto com as autoridades de saúde dos estados e municípios. Esses descartes aconteceram principalmente por causa do resultado positivo para outros vírus respiratórios.

Questionado sobre a queda no número de casos suspeitos sendo monitorados pelo Ministério da Saúde, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, explicou que ainda não estamos no período de sazonalidade da doença, o que indica que esse número ainda pode aumentar. Mas destacou que o diagnóstico dos casos tem sido feito de forma mais rápida, o que acelera a saída dos casos como suspeitos para descartados. “Nós estamos preparados para identificar um caso do novo coronavírus, aumentamos a nossa capacidade laboratorial para descartar os casos suspeitos e os profissionais estão cada vez mais atentos para o quadro clínico da doença. Então não é que não estão entrando novos casos, nós que estamos sendo mais rápidos na solução, por isso eles são descartados de uma forma mais rápida”, concluiu o secretário.

O Ministério da Saúde ressalta que, mesmo com a diminuição dos casos suspeitos para o novo coronavírus, a vigilância continua ativa em todos os estados, que notificam o Ministério da Saúde havendo qualquer alteração no panorama local.

Para manter a população informada a respeito do novo coronavírus, o Ministério da Saúde atualiza diariamente, os dados na Plataforma IVIS, com números de casos descartados e suspeitos, além das definições desses casos e eventuais mudanças que ocorrerem em relação a situação epidemiológica.

Continuar lendo

Cardiologista alerta

Mistura de bebida destilada com energético oferece risco à saúde

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Pixabay

Carnaval é uma época em que a possibilidade de consumo abusivo de bebidas alcoólicas fica mais evidente. Embora o consumo racional de álcool possa não aumentar a chance de doenças cardiovasculares, o excesso tem consequências graves. O risco é ainda maior em comemorações como o Carnaval, quando há combinação de bebidas destiladas e energéticas.

Ingerir quantidades aumentadas de álcool pode elevar o risco de estreitamento das artérias que irrigam o coração e, assim, oferecer mais chances de um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, além de piorar quadros como hipertensão, diabetes e insuficiência cardíaca.

Em um ambiente de carnaval pode ser difícil para o folião perceber que exagerou no consumo de bebida alcoólica. “Tem que tomar cuidado também com o que você bebe. Com destilados a chance de você ficar intoxicado é muito maior do que se você tomar bebida com menor concentração de álcool”, explica Dra. Edna Oliveira, cardiologista eletrofisiologista do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor).

Querendo manter a disposição e aproveitar mais, é comum que as pessoas não se atentem aos riscos que o consumo excessivo de energético traz à saúde. A cardiologista ressalta ainda que o consumo desse tipo de bebida deve ser monitorado, já que se tratam de desreguladores endócrinos, que afetam as batidas do coração. “Isso provoca riscos e consequências graves, como o aumento dos níveis da pressão arterial e da frequência cardíaca, mesmo em pessoas saudáveis”, alerta Dra. Edna.

Continuar lendo

DF contra o Aedes

Governo combate dengue mesmo em casas vazias ou abandonadas

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Mato alto, entulho, calha entupida, piscina descuidada. O cenário de casas vazias ou abandonadas é prato cheio para a proliferação do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Para combater de forma eficiente, o Governo do Distrito Federal acessa esses terrenos, faz pesquisa de focos, verifica criadouros e aplica produtos para impedir o avanço. Desta vez, a ação foi no Lago Sul.

Segundo a Secretaria de Saúde (SES), dados apontam que 92% dos focos do mosquito estão nos quintais das casas. A situação é ainda mais crítica quando não há cuidados com os espaços que sofrem com abandono. Só no Lago Sul, a estimativa é de que mais de 200 endereços estejam nessa situação – e devem ser inspecionados um a um.

Na QI 7, um caseiro recém-diagnosticado com dengue acendeu alerta da vizinhança, que procurou o governo para atuar efetivamente no combate ao mosquito em endereços fechados há muito tempo. “Estamos sempre preocupados com casas vazias, que não têm manutenção, para evitar focos. A falta de cuidado é hospedeiro ideal para proliferação do mosquito”, afirma o empresário Pedro Araújo, 66 anos.

De acordo com o morador daquela quadra, três imóveis abandonados ou fechados entre os conjuntos 14 e 15 perturbam a vizinhança. Um deles foi visitado nesta quarta-feira (19). Um funcionário acionado pelos proprietários do imóvel após denúncias recebeu a equipe e permitiu o acesso. Ali, a inspeção foi realizada em busca de criadouros onde o vetor pode desovar, amostras foram colhidas e o tratamento com inseticida larvicida à base de Espinosade foi efetuado.

Diretor de Vigilância Ambiental (Dival), Edgar Rodrigues esclarece que a fêmea do Aedes aegypti deposita até 450 ovos por vez e tem capacidade de fazer cinco posturas durante a vida. Assim, são mais de 2,2 mil ovos ao todo. “Infectado, o mosquito fêmea poderia contaminar toda essa área. Tivemos 62 óbitos e não podemos mais deixar isso acontecer no DF”, ressalta.

Ação interdisciplinar

“Todos os órgãos do GDF, por orientação direta do governador Ibaneis Rocha e do vice-governador Paco Brito, realizam reuniões periódicas e permanentes ao longo desse período crítico para estabelecer providências a serem adotadas e estratégias para não permitir a proliferação do mosquito”, lembra o administrador do Lago Sul, Rubens Santoro Neto.

Ele explica que há uma determinação judicial que permite acessar imóveis abandonados. A entrada forçada, porém, é usada como último recurso. “A administração contata os proprietários para que eles limpem a área ou permitam o acesso das equipes para a limpeza do ambiente. Sem autorização direta, infelizmente temos que valer a intimação, porque a saúde e a vida humana estão acima dos interesses pessoais”, defende.

Desde 24 de janeiro o DF está em situação de emergência de saúde pública, por tempo indeterminado, em razão da ameaça de epidemia de dengue e outras doenças. De acordo com dados da Secretaria de Saúde, até a última semana de janeiro deste ano foram registrados 1.419 casos da doença no DF, com um óbito confirmado. As informações da pasta apontam ainda que 92% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão em quintais de casas particulares.

Esforços

O GDF tem atuado ativamente no enfrentamento ao Aedes aegypti. A partir desta quarta-feira (19), sete hospitais da rede pública de saúde do DF irão receber as Salas de Acolhimento para Casos Suspeitos de Dengue: Planaltina, Região Leste, Asa Norte, Guará, Gama, Brazlândia e Taguatinga.

Todas as regiões administrativas do DF recebem, diariamente, ações de combate e prevenção à dengue. Aos finais de semana, a Secretaria de Saúde tem feito ações de massa em determinadas cidades. Os esforços do governo também envolvem a reabertura da sala de hidratação oral dos hospitais da Região Leste e de Ceilândia para reforçar o atendimento a casos suspeitos; vistorias de imóveis fechados com drones; e capacitação de servidores e contratação de pessoal.

O governador Ibaneis Rocha convocou a população a combater de forma ativa e responsável o mosquito transmissor da dengue. A Unidade de Assuntos Religiosos e a Secretaria de Saúde (SES) lançaram uma campanha em parceria com lideranças religiosas e entidades assistenciais. A ideia é fazer um “dia D” de combate à dengue nos templos religiosos.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2020 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agências Internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #FakeNewsNão