Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Enquanto o CRLV não chega

Saiba como emitir a autorização provisória para circulação de veículo

Publicado

Foto/Imagem: Arquivo/AVB


O usuário não precisa mais ir ao Departamento de Trânsito para licenciar o seu veículo. O Detran-DF orienta os proprietários de veículos, que quitaram seus débitos e ainda não receberam o CRLV 2017, para que emitam o Protocolo de Autorização Provisória para a Circulação de Veículo, por meio do site www.detran.df.gov.br. O documento tem validade de 30 dias, prazo para a entrega do CRLV no endereço que o proprietário do veículo registrou no Detran.

Para solicitar a autorização provisória é fundamental ter em mãos a placa e o Renavam do veículo. Antes da emissão, o sistema verifica se existe alguma pendência em relação ao veículo consultado. Em caso de débitos, o próprio sistema gera os boletos para que o proprietário faça a quitação em uma instituição bancária credenciada (BRB, Caixa e Banco do Brasil. Este último recebe somente de correntista).

Quando o veículo não apresentar qualquer impedimento, o documento provisório poderá ser impresso em casa ou em qualquer outro local onde o sistema for acessado pelo usuário. O serviço está disponível exclusivamente no site e não poderá ser realizado nos postos de atendimento do órgão.

Para emitir o protocolo

O proprietário deverá acessar o site do Detran-DF. No campo Veículos, ele deve clicar no último ícone: Protocolo de Autorização de Circulação. Em seguida, preencher os campos da placa e do Renavam do veículo e seguir os demais passos solicitados pelo sistema.

Até o momento, o sistema do Detran já registrou mais de seis mil autorizações provisórias. Essa modernização do atendimento visa facilitar o acesso do cidadão ao Certificado de Licenciamento e Registro de Veículos (CRLV) sem precisar que ele se desloque até o órgão.

Publicidade
Comentários

#VacinaDF

GDF inclui vigilantes como prioridade na vacinação contra a Covid-19

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Reprodução

O Governo do Distrito Federal (GDF) incluiu a categoria de vigilantes como prioridade na vacinação contra a Covid-19. A decisão ocorreu após reunião do governador Ibaneis Rocha com o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, e os deputados distritais Rafael Prudente e Robério Negreiros, nesta quarta-feira (16).

Na reunião, foi definido que a cada entrega semanal de vacinas, três mil doses serão destinadas a todos os vigilantes, independentemente de trabalharem em escolas e bancos. Vale lembrar que os vigilantes que atuam em estabelecimentos de saúde já foram vacinados.

Os profissionais que trabalham em bancos e escolas serão imunizados no mesmo calendário elaborado para professores e bancários. A vacinação também vai chegar para os terceirizados que atuam em escolas e bancos. “Decidimos incluir a categoria de vigilantes porque sabemos o quanto eles estão expostos e o quanto são importantes pelo serviço que prestam, seja em escolas, bancos e outros lugares. Boa parte será vacinada junto dos professores e bancários e assim vamos imunizando todos”, disse Ibaneis Rocha.

“Os vigilantes da Saúde foram vacinados, mas sensibilizamos o governador Ibaneis Rocha a incluir não só os vigilantes, mas também os terceirizados para que eles sejam imunizados junto dos professores e bancários. A partir da semana que vem, três mil vacinas de primeira dose serão destinadas exclusivamente à categoria dos vigilantes restantes”, destacou Robério Negreiros.

Para o deputado Rafael Prudente, a iniciativa traz o “reconhecimento justo a esses profissionais que desempenham importante função no atendimento à população”. “Eles precisam ser protegidos contra o coronavírus”, afirmou.

Continuar lendo

Pablo Prado

Marco Legal das Startups facilita a criação de novos empreendimentos no Brasil

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Divulgação

O Presidente Jair Bolsonaro sancionou, em 1º de junho de 2021, a Lei Complementar nº. 182/2021, o chamado Marco Legal das Startups e do Empreendedorismo Inovador, criando um regime próprio para as empresas que se destinam ao desenvolvimento de produtos e serviços inovadores e com apelo tecnológico.

A Lei define como startup as empresas nascentes ou em operação recente, cuja atuação caracteriza-se pela inovação aplicada a modelo de negócios ou a produtos ou serviços ofertados.

São exemplos de startups, no Brasil, já consolidadas, C6 Bank, Nubank, iFood, Quinto Andar e PagSeguro.

Estas empresas já alcançaram a condição de ‘unicórnio’, que é quando uma empresa possui valor de mercado de pelo menos US$ 1 bilhão, e por isso, não se valerão das regras do Marco Legal das Startups.

Isto porque a Lei estabeleceu que poderão ser consideradas startups as empresas com faturamento anual de até R$ 16 milhões e que possuam até 10 anos de existência.

Além disso, a lei exige que a empresa traga expresso em seus atos constitutivos que fazem uso do modelo de negócio inovador em sua atividade, podendo adotar qualquer forma empresarial.

Especialistas do mercado celebraram a edição do marco legal, dado o importante acréscimo de segurança jurídica trazida aos investidores, ao prever que estes não são responsáveis pelas dívidas da empresa.

Pela Lei, o investidor que realiza aportes de capital (venture capital) sem ingressar no capital social não poderá ser considerado sócio, e nem poderá exercer poder de voto ou ingerências na empresa investida.

Este aspecto é absolutamente importante, pois o modelo de negócio das startups conta em absoluto com capital de risco de investidores que não querem – e agora não podem – ser responsabilizados por eventuais fracassos e dívidas da empresa. Este ponto torna o ambiente negocial mais atrativo, dada a diminuição de riscos, trazendo melhores perspectivas de investimentos para o setor.

Outro ponto importante da lei está relacionado a criação de um regime especial de licitações, destinado à aquisição de soluções tecnológicas produzidas por este tipo de empresas.

A Lei cria a chamada “modalidade especial” e prevê que Administração Pública poderá abrir licitações voltadas para a aquisição de uma solução a uma demanda, que possa ser resolvida pelo emprego da tecnologia, deixando às empresas do setor a formatação da solução.

Trata-se de uma mudança importante no cenário negocial e jurídico, diante das diversas implicações que a legislação trará, sobretudo no ambiente de licitações, uma vez que a Administração Pública definitivamente não está habituada aos conceitos, dinamismo e risco do setor, o que demandará um grande período de maturação e curva de aprendizagem.

*Pablo Prado, advogado especialista em Direito Administrativo do Dias, Lopes & Barreto Advogados.
Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2015-2021 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços de notícias de agências nacionais e internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #GenuinamenteBrasiliense