Curta nossa página

Projeto social leva serviços gratuitos a população de baixa renda no Paranoá Parque

Publicado

Foto/Imagem:


O semblante concentrado e a habilidade para gingar no ritmo do berimbau não denunciam ser a primeira vez que Ana Beatriz Vieira da Silva, de 9 anos, participa de uma aula de capoeira. Ela, a mãe, o pai e dois irmãos moram há um ano no Paranoá Parque e formam uma das famílias que, desde setembro, têm acesso a serviços gratuitos perto de casa. A iniciativa faz parte do Projeto de Trabalho Técnico e Social, coordenado pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), com verba do governo federal.

As atividades são destinadas aos moradores com renda de até R$ 1,6 mil, que caracterizam a chamada faixa 1 do programa habitacional Morar Bem, vinculado ao Minha Casa, Minha Vida, do Executivo federal. Além da capoeira, há plantão social — com atendimento de psicólogos e assistentes sociais — e cursos profissionalizantes. A mãe de Ana, Carla Vieira de Oliveira, de 30 anos, aprovou a ideia. “É uma oportunidade valiosa para muitas famílias que não teriam condições de arcar com o custo dessas aulas.”

Ela aproveitou a ida da filha à capoeira para se informar sobre os cursos e fez a pré-matrícula em fotografia. A ideia é aplicar aquilo que aprender no que atualmente ela só consegue fazer de vez em quando. A dona de casa tem o sonho de abrir uma empresa para organizar festas infantis. “Trabalho com biscuit [objetos feitos de porcelana fina] e, sempre que tem alguma festinha lá em casa, sou eu quem dou um jeito. Poderia divulgar boas fotos do que faço”, conta.

Associação
O projeto tem investimento de R$ 8,1 milhões, para duração de 23 meses e poderá ser prorrogado. Mesmo com o fim da iniciativa, a intenção é estimular os moradores a criar uma associação no Paranoá Parque que dê continuidade às atividades, uma vez que os materiais a que tiverem acesso nesses quase dois anos ficarão com eles. Ana Beatriz, por exemplo, em breve ganhará seu uniforme para treinar capoeira.

Entre os serviços há palestras sobre temas como gestão condominial, educação sanitária e ambiental. “A ideia é sensibilizá-los para o uso racional do patrimônio deles e ajudá-los a gerir a nova vida”, explica a responsável técnica do projeto, Hellen Cristyna Francisco de Araújo.

Além das atuais 1.856 famílias (do total de 6.240) do Paranoá Parque, têm direito a participar do projeto 33 de Sobradinho II; 1.889 da Estrutural; 316 do Varjão; 8 mil do Mestre D’armas e 15 mil do Arapoanga, em Planaltina; 1.888 do Riacho Fundo II; 960 do Recanto das Emas; 2.040 da QNR e 15.738 do Sol Nascente, em Ceilândia. No último local, os benefícios são liberados de acordo com o trecho. No 1, dos três eixos previstos pela iniciativa, dois foram concluídos: o de mobilização comunitária e o de educação sanitária e ambiental. O último, que prevê a oferta de dez cursos profissionalizantes, está prestes a começar. Os trechos 2 e 3 encontram-se em processo de reprogramação. No restante das regiões, o projeto ainda não foi iniciado.

Beneficiados
O Projeto de Trabalho Técnico e Social é previsto pela Portaria n° 21, de 22 de janeiro de 2014, do Ministério das Cidades, e é assegurado em casos de intervenções de habitação e saneamento objetos de repasse ou financiamento firmadas com o setor público ou com entidades sem fins lucrativos e de intervenções do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que envolvam o deslocamento involuntário de famílias. Também atende famílias da faixa 1 do programa Minha Casa, Minha Vida.

Interessados em participar das atividades oferecidas no Paranoá Parque podem procurar a sede da Sociedade Vida e Natureza, no centro da região (Avenida Paranoá, quadra 29, conjunto 21, lote 13/14). O telefone para contato é 3214-1819.

Mariana Damaceno, da Agência Brasília

Atualizado em 20/11/2015 – 12:53.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Segurança Pública

DF tem segunda melhor média de policiais por habitante do país

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
Segurança Pública DF
Foto/Imagem: André Feitosa/Ascom SSP-DF

Estudo divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública na última terça-feira (27) aponta que no Distrito Federal há 6,6 policiais militares para cada mil habitantes. O número coloca a capital do país como a segunda unidade da federação detentora de melhor média, ficando atrás apenas do estado do Amapá, e superando, inclusive, a proporção nacional, que é de dois policiais militares/mil habitantes.

Os índices do DF também são superiores ao de outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, a proporção média varia de 1,8 a 2,6, segundo dados disponibilizados pela Associação Internacional de Chefes de Polícia. As informações constam no Raio-X das Forças de Segurança Pública.

Os bons números são possíveis graças ao investimento constante do Governo do Distrito Federal (GDF) e da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) para reforçar o quadro de das forças de segurança pública da capital federal. Desde 2019, o Executivo nomeou cerca de 4 mil homens e mulheres para os quadros da pasta.

“A recomposição do efetivo das forças de segurança do DF e a criação de estratégias que minimizem esse impacto aos serviços prestados à sociedade têm sido prioridades para o governo do DF e para a nossa gestão. Existe a previsão do ingresso de cerca de 3 mil policiais e bombeiros”, enfatiza o secretário de Segurança Pública do DF, Sandro Avelar.

O GDF também empenha recursos em tecnologia, inteligência e capacitação, coordenando ações com diferentes setores do governo e da sociedade, visando melhorar o serviço prestado à sociedade. O investimento já trouxe resultados: em 2023, o DF atingiu o menor índice de homicídios dos últimos 47 anos, com taxa de 9,1 homicídios por grupo de 100 mil habitantes – o mais baixo desde 1977, que teve 14 casos por grupo de 100 mil.

Outra política pública de destaque no âmbito da segurança pública é a criação do Programa de Videomonitoramento Urbano (PVU) que agora atende a 29 regiões administrativas (RAs) do Distrito Federal. Já são mais de 1,1 mil câmeras instaladas pelas vias públicas, que permitem o monitoramento integrado entre as forças de segurança e outros 30 órgãos, bem como instituições e agências dos governos local e federal.

Só no ano passado, o GDF investiu R$ 14.207.991,79 no programa, e, para 2024, a SSP-DF pretende investir mais R$ 5.330.189,59. O programa está inserido no contexto do eixo Cidade Mais Segura, do DF Mais Seguro – Segurança Integral.

Mais nomeações

Além de reforço na segurança, as nomeações promovidas pelo GDF também objetivam contrabalancear a evasão de agentes que têm solicitado aposentadoria nos últimos anos e o aumento da população do DF e do Entorno. Em 2014, a capital contava com 15 mil policiais militares e 5 mil civis na ativa. Atualmente, o efetivo é de 10 mil e 3 mil, respectivamente.

Avelar destaca ainda que, no Distrito Federal, as forças de segurança possuem situação peculiar às outras unidades da federação. “Por se tratar da capital do país, onde acontecem, por exemplo, diversas manifestações e eventos de caráter político, nossa atuação se dá nas esferas nacional e até internacional, no suporte a órgãos e autoridades federais e corpo diplomático, por exemplo”, explica o titular da pasta.

A redução do efetivo, contudo, não é uma exclusividade do DF. Ainda conforme o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil tem 69,3% das vagas existentes para policiais militares preenchidas. Atualmente, o país possui 404.871 policiais militares, 95.908 policiais civis e 17.991 peritos criminais na ativa.

Segundo a Polícia Militar do DF (PMDF), de 2018 até hoje, 3.434 policiais foram para a reserva remunerada (aposentados) e mais 399 contando exclusões, saídas para outros órgãos, desligamentos, totalizando 3.833 policiais.

A PMDF afirma que há previsão de inclusão de novos policiais para o biênio 2024-2025, na ordem de 869 para contratação imediata e 1.422 para cadastro reserva, perfazendo um total de 2.291 vagas.

Na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), está em andamento concurso para agente de polícia, com previsão inicial de 600 vagas para contratação direta, além de 900 vagas para cadastro reserva, além de concurso para escrivão de polícia, com previsão inicial de 300 vagas. Em dezembro do ano passado foram nomeados 100 escrivães de polícia e 200 agentes de polícia.

Atualizado em 01/03/2024 – 11:21.

Continuar lendo

Inscrições abertas

Universidade Católica oferece curso gratuito de informática para idosos

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
informática para idosos
Foto/Imagem: Freepik

A Universidade Católica de Brasília (UCB) está com inscrições abertas para curso básico de informática destinado a idosos com 60 anos ou mais. As aulas são ministradas aos sábados, das 9h às 12h, ao longo do primeiro semestre. Os interessados devem se cadastrar até o dia 23 de fevereiro por meio deste link.

Com previsão de início para 16 de março, o curso terá abordagem acerca da desinformação, fake news e ferramentas do Google; estudo sobre sistemas operacionais, com foco no Windows; e módulos com enfoque em Internet, aparelhos de celular e em ferramentas como Word, Excel e Power Point. Para receber o certificado, os alunos precisam ter frequência de pelo menos 75% e efetuar uma avaliação geral do curso ao final. Coordenado por um docente da UCB, o curso gratuito de informática para idosos contará com o auxílio de coordenadores e monitores estudantes. O encerramento do curso está previsto para o dia 6 de julho.

Atualizado em 28/02/2024 – 09:09.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana