Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


The Conversation

O quão bem o seu sistema imunológico funciona pode depender da hora do dia

Publicado

Foto/Imagem: Getty Images
Annie Curtis*

Quando micro-organismos — como bactérias ou vírus — nos infectam, nosso sistema imunológico entra em ação. Ele é altamente capacitado para detectar e eliminar infecções e reparar qualquer dano causado por elas.

Em geral, presume-se que nosso sistema imunológico funcione exatamente da mesma maneira, independentemente se a infecção ocorrer durante o dia ou à noite.

Mas pesquisas realizadas ao longo de mais de meio século mostram que nosso organismo responde de maneira diferente de dia e à noite.

A razão para isso é nosso relógio biológico e o fato de que cada célula do corpo, incluindo as células do sistema imunológico, pode identificar a hora do dia.

Nosso relógio biológico evoluiu ao longo de milhões de anos para nos ajudar a sobreviver. Cada célula do corpo possui uma coleção de proteínas que indicam o tempo, com base em seus níveis. Saber se é dia ou noite significa que nosso organismo pode ajustar suas funções e comportamentos (como quando queremos comer) para a hora certa.

Nosso relógio biológico faz isso gerando ciclos de 24 horas (também chamados de ritmos circadianos) para o funcionamento das células. Por exemplo, nosso relógio biológico garante que só produzamos melatonina ao anoitecer, pois essa substância química nos cansa, sinalizando que é hora de dormir.

Nosso sistema imunológico é composto de vários tipos diferentes de células imunológicas que patrulham continuamente o corpo em busca de evidências de infecção ou danos. Mas é nosso relógio biológico que determina onde essas células estão localizadas em determinados momentos do dia.

De modo geral, nossas células imunológicas migram para os tecidos durante o dia e circulam pelo corpo à noite. Esse ritmo circadiano das células do sistema imunológico pode ter evoluído de modo que as células do sistema imunológico estejam localizadas diretamente nos tecidos no momento em que temos mais probabilidade de ser infectados, ficando de prontidão para um ataque.

À noite, nossas células imunológicas circulam pelo corpo e param em nossos linfonodos, também chamados de gânglios linfáticos. Aqui, constroem a memória do que encontraram durante o dia, incluindo infecções. Isso permite que sejam capazes de responder melhor à infecção na próxima vez que se depararem com ela.

Dado o controle do relógio biológico sobre nosso sistema imunológico, não surpreende saber que algumas pesquisas mostram que a hora em que somos infectados por um vírus, como o da gripe ou da hepatite, pode ter um impacto sobre o quão doentes ficamos. O momento exato pode variar dependendo do vírus em questão.

Outras pesquisas também revelam que a hora que tomamos nossos medicamentos pode afetar quão bem eles funcionam, mas, novamente, isso depende da droga em questão.

Por exemplo, como produzimos colesterol quando dormimos, tomar uma estatina de ação curta (medicamento para baixar o colesterol) antes de ir para cama oferece mais benefícios. A hora do dia também mostrou influenciar quão bem certos tipos de células do sistema imunológico funcionam.

Relógio biológico e vacinas

Há também cada vez mais evidências de que as vacinas — que criam uma “memória” imunológica para um patógeno específico — são afetadas por nosso relógio biológico e pela hora do dia em que são aplicadas.

Por exemplo, um ensaio clínico randomizado de 2016 com mais de 250 adultos acima de 65 anos mostrou que tomar a vacina contra influenza pela manhã (entre 9h e 11h) resultou em uma resposta de anticorpos maior em comparação com aqueles que foram vacinados à tarde (entre 15h e 17h).

Mais recentemente, pessoas na faixa dos 20 anos que foram imunizadas com a vacina BCG (contra tuberculose) entre 8h e 9h apresentaram uma resposta imunológica melhor em comparação com as que foram vacinadas entre meio-dia e 13h. Portanto, para certas vacinas, há evidências de que ser imunizado de manhã cedo pode oferecer uma resposta mais robusta.

Uma razão para observarmos uma resposta imunológica melhor à vacinação pela manhã pode ser devido à maneira como nosso relógio biológico controla o sono.

Estudos mostraram que dormir o suficiente após a vacinação contra hepatite A melhora a resposta imunológica, aumentando o número de células imunológicas específicas da vacina que fornecem imunidade de longo prazo, em comparação com restringir o sono após a imunização.

Ainda não se entende totalmente por que o sono aumenta a resposta à vacina, mas pode ser devido a como nosso relógio biológico controla diretamente a função e a localização das células imunológicas durante o sono. Assim, por exemplo, ele envia as células imunológicas aos nossos linfonodos enquanto dormimos para saber que infecções foram encontradas durante o dia e construir uma “memória” disso.

Naturalmente, surge a questão de como tudo isso pode se relacionar com a atual pandemia de Covid-19 e os programas de vacinação em andamento em todo o mundo. O modo como nosso relógio biológico imunológico funciona pode ser importante para determinar se desenvolvemos ou não a doença. Curiosamente, o receptor que permite ao vírus SARS-CoV-2, causador da Covid-19, entrar em nossas células, está sob o controle do nosso relógio biológico.

Na verdade, há níveis mais elevados desse receptor nas células que revestem nossas vias aéreas em diferentes horários do dia. Isso pode significar que temos mais probabilidade de contrair Covid-19 em determinados horários, mas são necessárias mais pesquisas para determinar se esse é o caso.

Ainda não se sabe se a hora do dia em que somos vacinados contra a Covid-19 afeta a resposta imunológica. Dada a alta eficácia de muitas vacinas contra a doença (com Pfizer e Moderna relatando eficácia acima de 90%) e a urgência com que precisamos vacinar, as pessoas devem ser imunizadas a qualquer hora do dia que seja possível para elas.

Mas no caso de vacinas atuais e futuras que não tenham taxas de eficácia tão altas — como a vacina contra a gripe — ou aplicadas em pessoas com respostas imunológicas mais fracas (como adultos mais velhos), adotar uma abordagem “cronometrada” mais precisa pode garantir uma melhor resposta imunológica .

*Annie Curtis é professora de Medicina e Ciências da Saúde na Universidade Royal College of Surgeons in Ireland (RCSI).
Publicidade
Comentários

Erasmo Tokarski

Blefaroplastia não cirúrgica é tendência para melhorar aparência

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Freepik

Com o passar dos anos é natural que a pele comece a perder elasticidade. Isso ocorre porque há redução na produção de colágeno, responsável pela sustentação e, também, porque as células não se regeneram com a mesma facilidade de quando eram mais jovens.

Entre as áreas mais afetadas pelo envelhecimento está a região dos olhos, principalmente onde ficam as pálpebras. Na parte de baixo se forma uma espécie de bolsa de gordura, o que dá uma aparência de cansaço ao rosto. Já na parte de cima, o excesso de pele pode fazer com que a pessoa tenha dificuldade para enxergar.

A blefaroplastia é um procedimento realizado para melhorar a aparência e evitar que o excedente de pele comprometa o campo da visão. Atualmente, o mercado oferece a possibilidade de fazer a correção sem ter que passar pela cirurgia: é a chamada tecnologia de plasma.

Especialista em pele há mais de 30 anos, o dermatologista Erasmo Tokarski explica como funciona o procedimento.

“Não é uma cirurgia mas sim um tratamento estético não invasivo. O plasma usado na blefaroplastia sem cortes é um gás ionizado formado pela ação de uma forte energia que promove a separação de íons e átomos. O aparelho utilizado no procedimento gera um plasma artificial que estimula a retração da pele das pálpebras sem cortes”, detalha.

De acordo com o profissional, o tratamento é feito com anestesia local e dura em média 30 minutos. Os resultados podem ser notados logo na primeira sessão.

“Por ser realizado de forma ambulatorial, o tempo de recuperação é de 8 a 10 dias, podendo ocorrer um pouco de inchaço, vermelhidão e algumas manchas, que desaparecerão com o tratamento . Os efeitos positivos do tratamento poderão ser evidentes logo após a primeira intervenção, porém, melhores resultados serão observados após três semanas. Para a aparência benéfica máxima, geralmente são necessárias 3 sessões com intervalos de 6 semanas. Mas não é regra. Os resultados variam de pessoa para pessoa”, ressalta Tokarski.

Benefícios da técnica

  • Correção de imperfeições da pele e lesões benignas, incluindo verrugas, fibromas, pigmentação e manchas solares;
  • Melhoria na aparência de cicatrizes, incluindo cicatrizes pós-cirúrgicas, cicatrizes de acne e estrias;
  • Melhora as linhas de expressão e rugas ao redor da boca.
Continuar lendo

Junho vermelho

Além de um ato de amor, doar sangue reduz riscos de problemas do coração

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Tony Winston/Agência Brasília

Como parte da campanha Junho Vermelho, o dia 14, em que é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue, tem como objetivo incentivar o espírito de solidariedade, conscientizando a população de que doar sangue é um ato de amor ao próximo e uma atitude que salva vidas. Além disso, a ação promove uma série de benefícios à saúde do doador, como por exemplo, a redução de risco de doenças cardíacas e de alguns tipos de câncer.

O cardiologista hemodinamicista do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor), Ernesto Osterne, lembra que existem estudos que comprovam que a doação de sangue reduz a viscosidade do sangue, permitindo que os doadores sejam menos propensos a desenvolver doenças do coração.

Um estudo realizado por médicos da Clínica Universitária de Innsbruck, na Áustria, por exemplo, revelou que o metabolismo do elemento ferro no sangue explica a teoria de benefício cardiovascular. “O nosso sangue é produzido na medula e renovado a cada 120 dias, ou seja, quatro meses. Esse processo de composição das novas células faz uso do ferro. A doação de sangue faz com que o organismo produza mais células jovens para repor as células que foram doadas e com isso diminui as reservas de ferro e a oxidação dos lipídios, que consequentemente reduz o risco de entupimento das artérias do coração e do cérebro”, pontua o especialista.

Além disso, pesquisas também apontam que o ato de doar sangue colabora com a redução de certos tipos de câncer, devido à redução oxidativa.

“Quando a pessoa doa sangue ela passa automaticamente por um processo de renovação das células, com isso, as células velhas são renovadas, o que colabora para a redução de algumas doenças”, explica Osterne. O médico alerta, ainda, que o simples ato de doar sangue é uma forma de cuidar da saúde do coração, pois ao se submeter ao processo, o doador precisa realizar uma bateria de exames para identificação de possíveis doenças infectocontagiosas.

“Os exames são realizados para identificar doenças como por exemplo AIDS, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatite B e C, entre outras, e isso permite que a pessoa fique mais atenta à saúde.

Como doar

Segundo o Ministério da Saúde, 16 pessoas, a cada mil habitantes, são doadoras de sangue. O percentual corresponde a 1,6% da população brasileira e está dentro dos parâmetros preconizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

No Distrito Federal, as doações podem ser realizadas no Hemocentro de Brasília. O agendamento pode ser feito pelos números 160 ou (61) 3327-4413.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2015-2021 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços de notícias de agências nacionais e internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #GenuinamenteBrasiliense