Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Mosaico

Nunca estivemos tão perto de uma vacina contra o HIV, diz pesquisador

Publicado

Foto/Imagem: iStock


Após 40 anos de pandemia de Aids, o mundo “nunca esteve tão perto de uma vacina contra o HIV”, segundo o infectologista e coordenador do Estudo Mosaico no Hospital Emílio Ribas, Bernardo Porto Maia, que conduz a pesquisa com o imunizante em São Paulo.

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (14), ele explicou que, uma vez que a eficácia seja estabelecida, isso pode significar que “em não mais do que 3 a 5 anos” o imunizante esteja disponível para a população.

Justamente nesta etapa do estudo, de fase 3, começam os testes em humanos para descobrir a eficácia da fórmula para produzir anticorpos contra o vírus. Oito países participam dos testes clínicos.

O infectologista destacou que, na fase anterior, com aplicação em animais, os resultados foram promissores: “Encontramos uma eficácia de 67%; historicamente, chegamos o mais longe em 31% de eficácia em humanos, é um estudo que se mostra muito promissor, testamos a segurança da vacina, sabemos que é absolutamente segura, com poucos eventos adversos.”

A testagem será ampliada para um número maior de voluntários: serão 3.800 no mundo para estabelecer se a vacina é capaz de produzir resposta imunológica.

Bernardo Porto Maia ainda disse que o desafio para a elaboração de uma vacina contra o HIV é maior do que os imunizantes contra a Covid-19, que se mostraram eficazes em tempo recorde.

Segundo ele, apesar das variantes do coronavírus, ainda assim as cepas são semelhantes entre si e, portanto, os imunizantes garantem alguma proteção mesmo com as mudanças.

No caso do HIV, porém, “há diversas formas circulantes do mundo, que se distribuem de forma heterogênea, como se fossem vários vírus distintos, isso dificulta a formulação de uma vacina”, disse o pesquisador.

Há outras diferenças para a Covid-19, como a incapacidade do organismo humano de criar uma resposta imune de forma natural contra o HIV, a ponto de erradicar a infecção pelo vírus.

Tratamento

O infectologista ainda avaliou que “muita coisa mudou” desde o surgimento do HIV.

“A gente realmente conseguiu caminhar contra o preconceito e o estigma, a gente fala de HIV por um vírus essencialmente sexual e isso consigo traz um julgamento de valor social e cultural, e conseguimos combater muito disso.”

Ele também falou que o tratamento antirretroviral foi essencial para o processo: “O tratamento, quando há boa adesão, permite que a carga viral fique baixa a ponto de ser não-detectável e isso quebra a transmissão, além de termos uma maior gama de estratégia de prevenção.”

Publicidade
Comentários

Se a Eleição fosse hoje, em quem você votaria para presidente?









Ver resultados


Carregando ... Carregando ...
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2015-2021 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços de notícias de agências nacionais e internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #GenuinamenteBrasiliense