Curta nossa página

Inadimplência cai, Banco de Brasília cresce e faz subir o patrimônio a R$ 1,16 bi

Publicado

Foto/Imagem:


O Banco de Brasília pode dizer aos seus acionistas e clientes (além dos seus verdadeiros donos, que são os brasilienses) que vai bem, obrigado. É o que indica relatório divulgado na sexta-feira 27, onde é apontado um crescimento de 11,5% sobre o patrimônio líquido, que atingiu a cifra de 1 bilhão 160 milhões de reais.

Segundo os dados revelados pelo BRB, o Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio (ROAE) encerrou o ano em 11,50%, valor 5,78 p.p. inferior ao alcançado no ano anterior. O Retorno sobre o Ativo Total Médio (ROAA) fechou o período em 1,06%, inferior 0,52 p.p. ao realizado no ano anterior.

Veja, a seguir, uma síntese do balanço apresentado pelo banco:

No que diz respeito aos indicadores de liquidez, a imediata obteve um acréscimo de 0,02 p.p em relação ao 2º semestre de 2013 decorrente de um aumento nos ativos de liquidez do Conglomerado em 20,73% e uma queda dos depósitos à vista em 3,25%. A Liquidez Geral manteve-se constante no período, resultante do crescimento equilibrado entre as rubricas do Ativo e Passivo.

Em relação à eficiência do conglomerado, destaca-se a melhora no índice de eficiência tarifária que atingiu o índice de 71,06%, número 7,81 p.p. superior ao alcançado em 2013, decorrente principalmente do aumento das receitas de prestação de serviços que cresceram 16,54% em relação à 2013.

Ressalta-se que o aumento das Despesas Administrativas decorre principalmente do aumento de despesas com tecnologia pela modernização da estrutura tecnológica do banco. Observa-se quanto a estrutura patrimonial, o aumento da participação das operações de crédito sobre os ativos totais. Em 2014, 68,12% dos ativos são compostos por operações de crédito, enquanto no mesmo período do ano anterior a participação era de 66,43%.

A participação dos depósitos a prazo na composição do passivo apresentou uma redução de 1,55 p.p. Em 2014 a participação é de 43,77%, enquanto no mesmo período de 2013 a relação era de 45,32%.

O BRB apresentou Lucro Líquido de R$ 128,31 milhões em 2014, o que proporcionou uma rentabilidade sobre o Patrimônio Médio anualizado de 11,50%.

O Patrimônio Líquido alcançou R$ 1,16 bilhão, apresentando um crescimento de 9,31% em relação a dezembro de 2013. A exemplo dos exercícios anteriores, o crescimento do patrimônio líquido se deve ao nível de retenção e payout, hoje 75% e 25%, respectivamente.

Os Ativos Totais do BRB Múltiplo apresentaram crescimento de 10,54%, passando de R$ 10,95 bilhões para os atuais R$ 12,10 bilhões. Quanto ao BRB Consolidado, o crescimento foi de 10,14% em relação ao exercício de 2013, passando de R$ 11,54 bilhões para os atuais R$ 12,71 bilhões.

Destaca-se o crescimento das operações de crédito do BRB Múltiplo, cujo volume em 2014 totalizou R$ 7,74 bilhões, contra R$ 6,98 bilhões registrados no ano anterior, representando aumento de 10,89%. O Banco Consolidado apresentou crescimento de 12,91% em suas operações, cujo volume em 2014 totalizou R$ 8,66 bilhões, contra R$ 7,67 bilhões registrados em 2013.

A inadimplência total, considerando-se o saldo das operações em atraso há mais de 90 dias, alcançou 3,4% em dezembro de 2014. O BRB adotou medidas de controle e recuperação de crédito, visando a mitigação do risco, tais como: redução de alçadas operacionais, aperfeiçoamento dos modelos de classificação de risco, treinamento dos empregados, revisão dos parâmetros de concessão do crédito e implementação de novos controles no processo. Na Carteira de Desenvolvimento, merecem destaque as operações com recursos direcionados, que contemplam os financiamentos para o setor rural, industrial e imobiliário. A taxa de inadimplência do banco ficou em 0,7% enquanto que a do SFN foi de 1,5%, essa taxa contempla tanto as operações de pessoas físicas quanto jurídicas.

O saldo da Carteira de Crédito Comercial, para o BRB Múltiplo, em comparação com o ano anterior, apresentou um crescimento de 9,25%, totalizando R$ 6,80 bilhões. A Carteira Pessoa Física, incluindo a Carteira de Crédito Consignado, teve crescimento de 8,31%, e a Carteira Pessoa Jurídica, crescimento de 12,71%.

O produto Crédito Consignado é um destaque da Carteira Pessoa Física. Encerrou 2014 com saldo de R$ 3,35 bilhões, apresentando um aumento de 11,67% em relação a 2013. Na Carteira Pessoa Jurídica destaca-se o produto Progiro, que apresentou, em 2013, saldo de R$ 916,68 milhões e R$ 1 bilhão em 2014, demonstrando um aumento de 9,53%.

Já para o BRB Consolidado, incluindo as operações de crédito da Financeira BRB, o saldo da carteira apresentou um crescimento de 11,90%, totalizando R$ 7,75 bilhões. A carteira Pessoa Física, incluindo a carteira de Crédito Consignado, teve crescimento de 11,75% e a carteira Pessoa Jurídica, crescimento de 12,53%.

Atualizado em 31/03/2015 – 16:32.

Publicidade
Comentários
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana