Curta nossa página

Educação

Garis do Distrito Federal trocam vassouras por lápis e caderno

Redação

Publicado

Foto/Imagem: José Cruz/Agência Brasil
Carolina Gonçalves

Aos 57 anos, Ana Rosa da Silva Santana começa a desenhar as primeiras curvas das letras de seu nome. As mãos trêmulas mostram uma insegurança ainda persistente. “Mas eu vou vencer, sou uma guerreira”, afirma. Nascida em Barreiras, na Bahia, Ana Rosa nunca frequentou uma escola.

“Fui criada por pessoas que achavam que escola era perda de tempo. Eu fugia para ir para a escola e quando voltava para casa eu apanhava. Nunca tive oportunidade de aprender”, lembra emocionada. Atualmente, gari no Serviço de Limpeza Urbana de Brasília, atividade que mantém há sete anos, ela precisou fazer “bicos” ao longo de muito tempo para sobreviver e sustentar os filhos. O primeiro, nascido quando Ana Rosa tinha apenas 12 anos de idade.

Ana integra agora a atual turma de 50 garis contratados pela empresa Sustentare que decidiram arregaçar as mangas e recuperar o tempo perdido nos estudos. O projeto que vem sendo desenvolvido há cinco anos pela empresa já alfabetizou mais de 160 funcionários que prestam serviço à companhia local.

A iniciativa é mantida em parceria. Enquanto a Sustentare viabilizou o mobiliário das salas de aulas e é responsável por custear os alfabetizadores, a Universidade Católica de Brasília (UCB) fornece a metodologia e os materiais escolares e o Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU-DF) cedeu o espaço físico e autorizou que os alunos estudassem durante o horário de trabalho, contribuindo para reduzir a evasão escolar.

“O estudo vai trazer muita coisa boa para mim, posso ser alguém na vida, ajudar um neto que precise em algum trabalho de escola”, disse. Mas, quando o assunto é o sonho de vida, Ana Rosa não hesita: “Eu sou salgadeira, mas ainda não sou profissional. Quero aprender mais e também fazer todos os tipos de doces e bolos. Poder ler receitas e dicas vai ajudar muito”, contou.

O curso deste ano começou na última quinta-feira (4). Geílson Coelho, 29 anos, também se matriculou para buscar novas oportunidades. Diferentemente da colega mais velha de classe, Coelho estudou até os 14 anos, mas não retornou para a escola até então. “Espero agora melhorar, espero passar mais coisas para meus filhos futuramente. Sinto falta da escrita. Lamento ter parado cedo e não ter voltado depois. Agora quero ser um confeiteiro e a escrita ajuda muito”, disse, se emocionando a lembrar da mãe de criação que sempre o incentivou a retomar os estudos.

Após a conclusão do curso, os alunos participam de uma cerimônia de formatura, com direito a traje de gala.

Coordenadora e uma das idealizadoras do projeto, Williani Carvalho explica a dificuldade de alfabetizar adultos. Segundo ela, além do tempo mais escasso em função de todas as obrigações rotineiras, ainda há o fator emocional.

“Quando você é podado, tem dificuldade de crescer. Até assumir que são analfabetos é difícil. Uma das coisas que nos alertou, que nos fez criar indicadores, foi observar que não conseguiam ler avisos em ônibus da empresa e tinham dificuldades em questionários de treinamentos. Alguns diziam que estavam com dor de cabeça para não ter que assumir que era analfabeto”, conta a alfabetizadora.

Williani e sua equipe adaptam os conteúdos às realidades da turma, dirigindo a alfabetização em rumos definidos por cada aluno como um sonho. “Quando um diz que quer ser padeiro, a gente busca como motivar dentro da realidade dele, como trazer receitas para cozinhar aqui. Trazemos fatos da atualidade. Falamos sobre DST [doenças sexualmente transmissíveis], problemas psicológicos. A forma que temos de motivar é a partir dos sonhos deles”, disse.

Para ela, o projeto só tem seguido em frente por conta do envolvimento dos dirigentes das empresas. Cada aluno deixa de trabalhar por três horas na semana para poder estudar. “Menos 50 pessoas na rua são menos quilômetros de ruas limpos”, afirmou.

Um levantamento realizado em 2007 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que, apenas no Distrito Federal, mais de 60 mil pessoas acima de 15 anos não sabem ler nem escrever. O país busca a meta de erradicação do analfabetismo até 2024.

Quando se trata do universo de garis em atuação em Brasília, pesquisa realizada pelo departamento de Recursos Humanos da empresa Sustentare Saneamento – especializada em serviços ambientais -, mostrou que 60% dos 2.700 trabalhadores na capital federal são analfabetos ou não concluíram o ensino fundamental.

Até 3 de maio

GDF: orçamento 2020 receberá sugestões on-line e presencial

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Pedro Ventura/Agência Brasília

O Governo do Distrito Federal (GDF) inicia, nesta sexta-feira (19), o recebimento de sugestões para elaboração do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2020. A partir de agora, o cidadão disporá de quatro alternativas para fazer solicitações e sugestões ao projeto orçamentário. A iniciativa é coordenada pela Secretaria de Estado de Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão do Distrito Federal (SEFP).

A primeira maneira de participação é por meio eletrônico, com registro no site www.ouv.df.gov.br (acessar o ícone “sugestão”, pesquisar o assunto “LDO 2020” e preencher no cadastro). A segunda forma é por ligação telefônica para o número 162.

Já aqueles que preferem o atendimento presencial também terão duas formas de contribuir com o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020. Uma delas é se dirigindo a uma das ouvidorias do governo que estão espalhadas pelas secretarias de Estado, administrações regionais, empresas públicas, autarquias e fundações.

O período para envio de sugestões on-line e pelas ouvidorias presenciais do governo começa nesta sexta-feira (19) e vai até 3 de maio deste ano.

“É de suma importância a participação do cidadão na formulação de políticas públicas. Ficamos felizes ao poder acolher as sugestões sobre o PLDO, fazendo a divulgação no nosso site e  possibilitando a efetiva participação social por meio da ouvidoria”, afirma o ouvidor-geral do Distrito Federal, José dos Reis de Oliveira.

Audiência pública

A segunda opção de participação presencial é a realização de audiência pública, que acontecerá no próximo dia 25 (quinta-feira), às 9h, na Escola de Governo do Distrito Federal. O evento é aberto a toda a população e contará com a presença de técnicos da Secretaria de Secretaria de Estado de Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão do Distrito Federal, que explicarão os principais pontos do PLDO 2020 e colherão as sugestões dos cidadãos no local.

As propostas apresentadas pela comunidade serão analisadas pela SEFP e poderão compor o projeto final do PLDO 2020 que será encaminhado à Câmara Legislativa do Distrito Federal. De acordo com o calendário de elaboração da proposta, a versão preliminar do texto estará disponível para consulta pública nos sites da SEFP (www.fazenda.df.gov.br e www.seplag.df.gov.br) a partir desta quinta-feira (18), e o retorno à população sobre as sugestões recebidas serão emitidas até 24 de maio.

A LDO

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) é uma peça orçamentária que estipula as prioridades e metas do Governo para o próximo exercício financeiro. O documento é o elo entre os programas e estratégias do Plano Plurianual e a Lei Orçamentária Anual (LOA).

No Distrito Federal, a proposta da LDO precisa ser encaminhada à Câmara Legislativa até o dia 15 de maio de cada ano. As funções da lei estão estipuladas na Constituição Federal, na Lei de Responsabilidade Fiscal (LC 101/2000) e na Lei Orgânica do Distrito Federal.

Além de orientar a elaboração da Lei Orçamentária Anual (LOA), a Lei de Diretrizes Orçamentárias também dispõe sobre alterações na legislação tributária e política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento, e ainda define a política de pessoal de curto prazo da administração direta e indireta.

Continuar lendo

Dias 22 a 26 e 28 de abril

Detran-DF oferece Curso de Formação para Motofretista

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Luiz Costa/SMCS

A Diretoria de Educação do Detran-DF, por meio do Núcleo de Formação e Cursos de Trânsito (Nufor), promoverá nos dias 22 a 26 e 28 de abril, o Curso de Formação Obrigatória para Motofretistas, para quem deseja atuar na entrega de mercadorias como atividade remunerada, utilizando motoneta ou motocicleta. A obrigatoriedade da capacitação para estes profissionais está prevista nas Resoluções nº 410 e 414 de 2012 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

O curso será dividido em duas modalidades: aulas teóricas, que ocorrerão na Escola Pública de Trânsito, entre 18h30 e 22h50, e aulas práticas, que acontecerão no estacionamento do DFTrans, próximo ao Shopping Popular, no período diurno, em horário a definir. Serão disponibilizadas 25 vagas.

Inscrições

As inscrições podem ser realizadas, presencialmente, no atendimento da EPT, localizada na 706/906 Sul, de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h30. É necessário apresentar a Carteira Nacional de Habilitação, ser maior de 21 anos, estar habilitado no mínimo há dois anos na Categoria “A”, não estar cumprindo penalidade de suspensão ou cassação bem como não estar impedido judicialmente de exercer o direito de dirigir.

Serviço

  • O quê: Curso de formação para motofretistas
  • Onde: EPT 906/706 Sul e estacionamento do DFTrans, ao lado do Shopping Popular
  • Quando: 22 a 26 e 28 de abril
  • Carga Horária: 32 horas/aula
  • Inscrições: Escola Pública de Trânsito (EPT), 706/906 Sul
  • Valor: R$ 198,00 (conforme tabela de preços disponível no site do Detran)
  • Vagas disponíveis: 25
Continuar lendo

Francisco de Paula Lima Júnior

CLDF inaugura Sala de Imprensa para jornalistas e blogueiros

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Silvio Abdon/CLDF

A Câmara Legislativa do Distrito Federal conta com um novo espaço para o trabalho de jornalistas e blogueiros que cobrem as atividades do Legislativo local. Equipado com televisão, internet sem fio, computador e ar condicionado, a sala de imprensa foi inaugurada nesta segunda-feira (15) ao lado do Plenário.

A sala recebeu o nome do professor de jornalismo e cientista político, Francisco de Paula Lima Júnior, que lutou contra o câncer, e faleceu em 2017 aos 49 anos. Professor Chico, como era conhecido, foi um dos fundadores da Associação Brasiliense dos Blogueiros de Política (ABBP) e lutou pelo reconhecimento do blogueiros na cobertura jornalista do Distrito Federal.

Em seu discurso na abertura da solenidade, Toni Duarte, idealizador da Associação, enfatizou a luta de Chico em favor da categoria, parabenizou a Mesa Diretora e disse que a Câmara Legislativa “imortalizou uma pessoa correta que sempre trabalhou pela comunicação”.

O presidente da CLDF, Rafael Prudente (PMDB), observou que o comitê é um “ato simbólico a favor da transparência” e destacou que a imprensa terá livre acesso à Casa. Prudente também anunciou outra novidade: agora a imprensa terá direito a cinco vagas rotativas na garagem. Já o vice-presidente Delmasso (PRB) agradeceu toda a imprensa “pelas críticas que abrem os olhos dos deputados e possibilitam a melhoria da legislatura”, e também “pelos elogios que reconhecem o trabalho dos deputados”.

Robério Negreiros (PMDB), segundo secretário, disse que “o trabalho não acabou por aí”. Para ele as próximas demandas a serem levadas à frente pela Mesa Diretora serão a inauguração de um  restaurante e a automação do Plenário. Roosevelt (PSB) parabenizou a ação e lembrou de quando era administrador do Núcleo Bandeirante, onde o Professor Chico morou.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana