Curta nossa página

Destino era Fortaleza

Dupla suspeita de matar professor no Cruzeiro é presa no aeroporto

Publicado

Foto/Imagem:


A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu na manhã desta segunda-feira (11) dois rapazes de 21 anos, suspeitos de matar um professor aposentado no Cruzeiro Novo na madrugada de sábado (9). A dupla foi detida com R$ 1,5 mil em dinheiro, quando tentava remarcar uma passagem aérea em uma loja da companhia no Aeroporto Juscelino Kubitschek, após perderem um voo para Fortaleza.

Segundo a Polícia Civil, um dos envolvidos mantinha encontros esporádicos com o professor, há cerca de dois anos, e esperava uma oportunidade para cometer o roubo. A vítima chegou a ser amarrada, mas conseguiu se libertar e entrou em luta corporal com o rapaz.

O professor foi morto com seis facadas e ficou com a arma encravada no crânio. O irmão da vítima disse à polícia que ela foi encontrada com a cabeça sobre um travesseiro, tapete enrolado no corpo. Havia sangue no chão e nas paredes.

Depois de matar o professor, o rapaz ligou para o colega, que foi até o local. A dupla levou uma TV, um computador pessoal, dois celulares, cartão de crédito e o carro da vítima. Eles permaneceram na casa do suspeito que não conhecia o professor, em P Norte, em Ceilândia, onde permaneceram até esta manhã.

Segundo a delegada-chefe da 3ª DP, Cláudia Alcântara, testemunhas informaram ter visto pessoas desconhecidas usando o carro do professor. Elas forneceram outras informações sobre os suspeitos.

A delegada diz que os suspeitos planejavam fugir para Fortaleza, para “começar uma nova vida”. De acordo com Cláudia, foi importante deter os envolvidos antes que embarcassem. “Se eles fugissem para outro estado teria sido muito mais difícil e demorado.”

Os criminosos contrataram um homem para levá-los ao aeroporto no carro da vítima. Segundo a polícia, ele recebeu dinheiro para fazer o serviço, mas desconhecia a origem do veículo, por isso não foi preso.

O crime ocorreu na quadra 207. O apartamento fica em um bloco em uma área que tem outros três edifícios. O local é o único do espaço que não tem câmeras de segurança. Moradores, que não quiseram se identificar, disseram que o professor era reservado e discreto.

Atualizado em 11/01/2016 – 18:57.

Publicidade
Comentários
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana