Curta nossa página

Desde 1995

Distrito Federal tem o menor número de mortes no trânsito já registrado

Redação
Mariana Damaceno

O Distrito Federal tem a menor taxa de mortes no trânsito desde que começou o registro de estatísticas, em 1995. Foram 241 acidentes fatais 2017, 122 a menos que em 2016.

Para o diretor-geral do Departamento de Trânsito (Detran-DF), Silvain Fonseca, a marca é possível graças à atuação integrada de vários órgãos de governo, não necessariamente ligados a trânsito.

O trabalho, segundo ele, se resume a três preocupações principais: campanhas educativas, fiscalização e ações de engenharia de trânsito. “Hoje, esses três pontos estão em ação o ano todo”, garante.

Todo o planejamento para que as metodologias sejam postas em prática deve-se à contribuição de órgãos como a Secretaria de Saúde, a Polícia Civil e outras forças de segurança.

Com a ajuda da Polícia Civil, por exemplo, o Detran consegue estatísticas relacionadas a características dos acidentes, locais com maior frequência e perfis dos envolvidos. “Isso vai nos dando um norte para as campanhas, para a fiscalização; nos mostra, por exemplo, um lugar com alto índice de acidente que tem algum problema de engenharia.”

Os dados não se referem apenas a motoristas, mas a ciclistas, pedestres e motociclistas. O cuidado possibilitou que as campanhas fossem direcionadas a todos os públicos. “O Detran passou a trabalhar a questão do álcool não somente com o condutor, mas com o pedestre e com o ciclista. Se você ingerir álcool, deve se afastar das vias”, exemplifica o diretor-geral da autarquia.

Informações importantes também chegam pela Secretaria de Saúde, que acaba tendo a rede afetada diretamente com os acidentes de trânsito.

A qualidade dos atendimentos prestados pelos servidores do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também é determinante para a marca, de acordo com o Detran.

Investimento em educação no trânsito dentro da sala de aula

Para difundir a ideia de que o trânsito é para todos, o Detran também investe em capacitação de professores da rede pública.

O curso é a distância e foi criado em agosto. Desde então, mais de 550 docentes da educação infantil e do 4º ao 7º ano se matricularam.

“Repassamos o conceito de mobilidade, que não é referente só a carro, mas também a pedestre, a transporte coletivo”, detalha o diretor de Educação de Trânsito, Álvaro Sebastião Teixeira Ribeiro.

No caso das turmas com professores do 4º ao 7º ano, são abordados temas que façam os estudantes compreender melhor a locomoção pela cidade e conhecer os seus direitos e deveres na via.

Para profissionais que lidam com alunos mais novos, a capacitação ajuda a utilizar em sala de aula jogos criados pelo Detran em parceria com a Secretaria de Educação. São seis tipos de brincadeiras que, em 2018, serão distribuídos prioritariamente entre as escolas com professores que se matricularam no curso.

Além disso, a Diretoria de Educação de Trânsito promoveu 28 palestras em várias regiões do DF e atendeu mais de 2 mil professores em 2017.

“A gente precisa de multiplicadores. Trabalhamos para que o trânsito faça parte da vida das pessoas desde cedo e para que o aluno crie a cultura de respeito ao próximo; não se preocupe apenas com a fiscalização, mas faça tudo certo por uma questão de respeito”, resume Silvain Fonseca.

Soluções de engenharia como forma de evitar acidentes

Depois de avaliar que grande parte das batidas entre carros e motocicletas ocorriam nos semáforos, porque o motorista, muitas vezes, não enxerga o motociclista, o Detran criou bolsões.

Trata-se de uma faixa para motocicletas na área de retenção próximo aos semáforos. Tem cerca de 1,5 metro de comprimento e garante que quem está pilotando fique à frente e saia antes dos demais.

Apesar de a motocicleta representar apenas 11% da frota do DF, ela está envolvida em um terço dos acidentes. Outra estatística preocupante é que, a cada 10 motociclistas parados, quatro são inabilitados, segundo o departamento.

O órgão de trânsito também investe em tecnologias de monitoramento perto de escolas e reforça fiscalizações de parceiros, como o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), a Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal.

Em outra parceria com a Polícia Civil, o Detran passou a monitorar pessoas com o direito de dirigir suspenso, mas que continuam circulando. Cerca de 1,5 mil condutores têm seus itinerários monitorados.

“Elas deixam um rastro de infrações e acabam sendo abordadas, encaminhadas à delegacia e autuadas”, explica Silvain Fonseca. A suspensão ocorre, principalmente, por dirigir sob o efeito de álcool. “Alguns, inclusive, mataram no trânsito”, alerta.

Cidades Limpas revitalizou mais de 4 mil sinalizações horizontais e verticais

Em um ano do programa Cidades Limpas, também foram revitalizadas mais de 4 mil sinalizações horizontais e verticais. “Garantir a segurança dos pedestres e condutores e assegurar a melhor fluidez das vias públicas estão entre nossas metas”, enfatiza Marcos Dantas, secretário das Cidades, pasta coordenadora da força-tarefa.

Ainda houve, nas 29 edições do programa, a pintura de 1,1 milhão de metros lineares de meios-fios e a operação tapa-buracos, com 2 mil toneladas de massa asfáltica na recuperação de pistas do DF. Quase 250 carcaças de carros foram recolhidas das ruas.

Publicidade
Comments

Cidades

Codhab entrega 80 escrituras para moradores de Planaltina

Redação

em

Publicado por

Dênio Simões/Agência Brasília

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) entregou mais 80 escrituras a moradores de Planaltina neste sábado (15). A cerimônia ocorreu no estacionamento da administração regional.

Com isso, o governo alcança a marca de 63.514 documentos distribuídos no Distrito Federal desde 2015.

Somente em Planaltina, já foram liberadas 7,8 mil escrituras. Elas são fornecidas gratuitamente a pessoas com renda de até três salários mínimos.

O governador agradeceu o carinho da população de Planaltina. “Sei que esperaram por isso há muitos anos. Mas valeu a pena a espera. Hoje vocês recebem a escritura registrada no cartório já com a certidão de ônus”.

Moradora de Planaltina desde 1987, Jovelina Miotto de Moura, de 76 anos, agradeceu a entrega do documento. “Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Essa escritura representa a segurança que eu tanto esperava”, contou ela.

O diretor-presidente da Codhab, Gilson Paranhos, ressaltou o compromisso que Rollemberg firmou e cumpriu com a regularização fundiária. “Ontem recebemos o maior prêmio de regularização fundiária do País, concedido pelo Instituto de Arquitetos do Brasil. Isso é resultado do trabalho conjunto do governo”.

Ele ainda comentou que a revista Projeto, de São Paulo, citou o nome do governador de Brasília como responsável pela maior e melhor experiência de regularização fundiária do País.

A regularização das propriedades faz parte do Lote Legal, uma das frentes de atuação do Habita Brasília, programa que tem como objetivo proporcionar moradia digna aos cidadãos.

O Habita Brasília leva em conta o planejamento das cidades e o combate à grilagem de terras na capital do País.

Continuar lendo

Cidades

Governo aumenta vagas para acolher dependentes químicos

Redação

em

Publicado por

Pixabay

O governo do Distrito Federal ampliou de 300 para 400 as vagas para atendimentos a dependentes químicos em instituições conveniadas.

O termo de colaboração com 13 comunidades terapêuticas foi assinado neste sábado (15) pela Secretaria de Justiça e Cidadania.

Com o acordo firmado, as vagas serão ofertadas gratuitamente para acolhimento, abrigo e tratamento de pessoas com transtornos decorrentes do uso ou da dependência de substâncias psicoativas.

A assinatura ocorreu na Fazenda Esperança Santa Bakhita, em Brazlândia, e contou com a presença do governador Rodrigo Rollemberg.

Para ele, o evento é de grande simbolismo de uma luta importante. “Sabemos da gravidade do problema. E o que fico feliz é que criamos a base dessa política pública. Para que ela possa acolher muito mais gente”, enfatizou o governador.

No evento, também foi anunciada a isenção de tributos para as comunidades terapêuticas.

O atendimento poderá ser por internação, em regime de residência, que será custeado com recursos do Fundo Antidrogas do DF, geridos pelo Conselho de Política sobre Drogas (Conen-DF).

Serão investidos R$ 24 milhões para 60 meses de colaboração. O custo por vaga ficará em R$ 1 mil, conforme portaria do Ministério da Saúde.

Poderão ser atendidos homens e mulheres entre 18 e 60 anos pelo período de 3 a 12 meses.

O encaminhamento é feito pelos Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) ou por direcionamento das redes de saúde pública ou privada.

As comunidades terapêuticas foram selecionadas por meio de edital de chamamento público.

O convênio integra, pela primeira vez, a política pública de enfrentamento a drogas ao Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil.

Casas terapêuticas conveniadas

Despertai
Quadra 10, Casa 8, Setor Tradicional, Brazlândia (DF)

Fazenda Esperança Santa Bakhita
BR-080, Chácara 3/336 E, Incra 7, Brazlândia (DF)

Renovando a Vida 
Núcleo Rural Alexandre Gusmão, Gleba 3, Ceilândia (DF)

Abba Pai
CNR1, Conjunto 1, Núcleo Rural Monjolinho, Ceilândia Norte (DF)

Salve a Si
Fazenda Lages, Estrada do Córrego Lages, Sítio Gleba nº 9, Cidade Ocidental (GO)

Criação de Deus
Colônia Agrícola Águas Claras, Chácara 22, lote 01, Guará Parque (DF)

Desafio Jovem de Brasília
Comunidade Terapêutica Rancho da Paz, Chácara 13, Núcleo Rural Taquara, Planaltina (DF)

Associação Beneficente Caverna de Adulão 
Núcleo Rural Córrego do Atoleiro, Chácara 11, Planaltina (GO)

Novo Tempo
Núcleo Rural Vargem da Bênção, Chácara 20, Samambaia (DF)

Amai – Casa do Sol Azul
Quadra 206, Lote 2, Santa Maria (DF)

Mar Vermelho
Quadra 45 A, Conjunto D, Chácara 2. Morro do Sansão, Sobradinho II (DF)

Bom Samaritano – Manaaim
QNC 5/6 Área Especial 18, Taguatinga Norte (DF)

Instituto Crescer
Rua 10, Chácara 118, Vicente Pires (DF)

Continuar lendo

Cidades

Conheça os benefícios do cartão pré-pago do BRB para viagens

Redação

em

Publicado por

Arte/AVB

O Banco de Brasília disponibiliza aos seus clientes o cartão Multi Moeda Cash Passport Mastercard. Trata-se de um dos melhores meios de pagamento existentes atualmente para quem vai viajar para o exterior, devido à praticidade e segurança.

Muitos clientes possuem dúvidas a respeito da aquisição e do uso do cartão pré-pago para viagem internacional. Por isso, o Banco de Brasília esclarece as principais dúvidas dos usuários a respeito do produto.

1. O que é o cartão Multi Moeda Cash Passport Mastercard?

É um cartão pré-pago internacional para uso em viagens ao exterior, ou seja, é um cartão em que o cliente aporta os seus recursos antes da utilização. Esse cartão aceita até seis tipos de moedas estrangeiras ao mesmo tempo: dólar americano, canadense, neozelandês, australiano, euro e libra.

No BRB, o cartão pode ser carregado nos 10 pontos de atendimento que oferecem o serviço de câmbio: agências JK, Millenium Capital, Parkshopping, Conjunto Nacional, Central, Buriti, HDB, Taguatinga Centro, Lago Norte e Lago Sul.

O cliente deve adquirir o cartão antes da viagem, comparecendo em qualquer um dos pontos de atendimento acima. Durante a viagem no exterior, poderá recarregá-lo por meio do BRB Telebanco.

2. Como adquirir o cartão pré-pago para viagem internacional?

O cartão pode ser adquirido presencialmente, nas agências do BRB que possuem Serviço de Câmbio, onde o cliente já retira o cartão na hora.

3. Se a compra for realizada na agência, a emissão do cartão pré-pago internacional é na hora?

Sim. O cartão adquirido em qualquer uma das 10 agências do BRB que operam com o câmbio é retirado no momento da aquisição. O cliente sai da agência portando o cartão pré-pago de viagem, devidamente habilitado e pronto para o uso.

4. O cartão pré-pago para viagem internacional é aceito em todos os países por meio do dólar?

O cartão é amplamente aceito no mundo. Apenas alguns países não o aceitam. São eles, no momento: Irã, Coreia do Norte, Sudão, Síria e Crimeia.

A moeda do cartão não ocasiona diferença na aceitação, isto é, se o país não tiver restrição de negociação em outras moedas e o cliente tiver saldo, conseguirá usar o meio de pagamento normalmente, em qualquer país, independentemente da moeda que tenha carregado ou da moeda local do país a ser visitado.

5. Como transferir dinheiro de uma moeda para outra durante a viagem?

O cartão oferece a possibilidade de transferência de valores pelo site da Cash Passport (com uma taxa de 5,00% em relação ao valor da conversão). Também é possível entrar em contato, por telefone, com a operadora do cartão, a MasterCard, e solicitar que a conversão seja realizada (neste caso, a taxa aplicada é de 5,50%).

6. Como acompanhar o saldo do cartão pré-pago para viagem internacional?

Através do aplicativo ou do site da Cash Passport Mastercard.

7. Qual o prazo para a moeda de uma recarga ser liberada no cartão pré-pago para viagem internacional?

O prazo é até o fim do dia da solicitação da operação.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana