Curta nossa página

Cidades

Distrito Federal tem o menor número de mortes no trânsito já registrado

em

O Distrito Federal tem a menor taxa de mortes no trânsito desde que começou o registro de estatísticas, em 1995. Foram 241 acidentes fatais 2017, 122 a menos que em 2016.

Para o diretor-geral do Departamento de Trânsito (Detran-DF), Silvain Fonseca, a marca é possível graças à atuação integrada de vários órgãos de governo, não necessariamente ligados a trânsito.

O trabalho, segundo ele, se resume a três preocupações principais: campanhas educativas, fiscalização e ações de engenharia de trânsito. “Hoje, esses três pontos estão em ação o ano todo”, garante.

Todo o planejamento para que as metodologias sejam postas em prática deve-se à contribuição de órgãos como a Secretaria de Saúde, a Polícia Civil e outras forças de segurança.

Com a ajuda da Polícia Civil, por exemplo, o Detran consegue estatísticas relacionadas a características dos acidentes, locais com maior frequência e perfis dos envolvidos. “Isso vai nos dando um norte para as campanhas, para a fiscalização; nos mostra, por exemplo, um lugar com alto índice de acidente que tem algum problema de engenharia.”

Os dados não se referem apenas a motoristas, mas a ciclistas, pedestres e motociclistas. O cuidado possibilitou que as campanhas fossem direcionadas a todos os públicos. “O Detran passou a trabalhar a questão do álcool não somente com o condutor, mas com o pedestre e com o ciclista. Se você ingerir álcool, deve se afastar das vias”, exemplifica o diretor-geral da autarquia.

Informações importantes também chegam pela Secretaria de Saúde, que acaba tendo a rede afetada diretamente com os acidentes de trânsito.

A qualidade dos atendimentos prestados pelos servidores do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) também é determinante para a marca, de acordo com o Detran.

Investimento em educação no trânsito dentro da sala de aula

Para difundir a ideia de que o trânsito é para todos, o Detran também investe em capacitação de professores da rede pública.

O curso é a distância e foi criado em agosto. Desde então, mais de 550 docentes da educação infantil e do 4º ao 7º ano se matricularam.

“Repassamos o conceito de mobilidade, que não é referente só a carro, mas também a pedestre, a transporte coletivo”, detalha o diretor de Educação de Trânsito, Álvaro Sebastião Teixeira Ribeiro.

No caso das turmas com professores do 4º ao 7º ano, são abordados temas que façam os estudantes compreender melhor a locomoção pela cidade e conhecer os seus direitos e deveres na via.

Para profissionais que lidam com alunos mais novos, a capacitação ajuda a utilizar em sala de aula jogos criados pelo Detran em parceria com a Secretaria de Educação. São seis tipos de brincadeiras que, em 2018, serão distribuídos prioritariamente entre as escolas com professores que se matricularam no curso.

Além disso, a Diretoria de Educação de Trânsito promoveu 28 palestras em várias regiões do DF e atendeu mais de 2 mil professores em 2017.

“A gente precisa de multiplicadores. Trabalhamos para que o trânsito faça parte da vida das pessoas desde cedo e para que o aluno crie a cultura de respeito ao próximo; não se preocupe apenas com a fiscalização, mas faça tudo certo por uma questão de respeito”, resume Silvain Fonseca.

Soluções de engenharia como forma de evitar acidentes

Depois de avaliar que grande parte das batidas entre carros e motocicletas ocorriam nos semáforos, porque o motorista, muitas vezes, não enxerga o motociclista, o Detran criou bolsões.

Trata-se de uma faixa para motocicletas na área de retenção próximo aos semáforos. Tem cerca de 1,5 metro de comprimento e garante que quem está pilotando fique à frente e saia antes dos demais.

Apesar de a motocicleta representar apenas 11% da frota do DF, ela está envolvida em um terço dos acidentes. Outra estatística preocupante é que, a cada 10 motociclistas parados, quatro são inabilitados, segundo o departamento.

O órgão de trânsito também investe em tecnologias de monitoramento perto de escolas e reforça fiscalizações de parceiros, como o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), a Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal.

Em outra parceria com a Polícia Civil, o Detran passou a monitorar pessoas com o direito de dirigir suspenso, mas que continuam circulando. Cerca de 1,5 mil condutores têm seus itinerários monitorados.

“Elas deixam um rastro de infrações e acabam sendo abordadas, encaminhadas à delegacia e autuadas”, explica Silvain Fonseca. A suspensão ocorre, principalmente, por dirigir sob o efeito de álcool. “Alguns, inclusive, mataram no trânsito”, alerta.

Cidades Limpas revitalizou mais de 4 mil sinalizações horizontais e verticais

Em um ano do programa Cidades Limpas, também foram revitalizadas mais de 4 mil sinalizações horizontais e verticais. “Garantir a segurança dos pedestres e condutores e assegurar a melhor fluidez das vias públicas estão entre nossas metas”, enfatiza Marcos Dantas, secretário das Cidades, pasta coordenadora da força-tarefa.

Ainda houve, nas 29 edições do programa, a pintura de 1,1 milhão de metros lineares de meios-fios e a operação tapa-buracos, com 2 mil toneladas de massa asfáltica na recuperação de pistas do DF. Quase 250 carcaças de carros foram recolhidas das ruas.

Continuar lendo
Publicidade
Comments

Cidades

Alunos começam a receber cartões do Passe Livre Estudantil

em

Publicado por

Dênio Simões/Agência Brasília

Setenta cartões do Passe Livre Estudantil foram entregues nesta quinta-feira (21) à direção do Centro de Ensino Médio 3 de Ceilândia e começaram a ser repassados aos estudantes na manhã de hoje.

A ação obedece à portaria conjunta da Secretaria de Educação e do Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) publicada no início da semana. Com a medida, alunos da rede pública com direito ao benefício receberão o cartão +Estudante diretamente nas unidades de ensino.

“Isso facilitará muito a vida do estudante, que não precisará se deslocar até um posto de entrega, enfrentar filas”, destacou o secretário de Educação, Júlio Gregório Filho.

De acordo com o diretor-geral do DFTrans, Marcos Tadeu de Andrade, 140 era o número inicial de cartões destinados ao Centro de Ensino Médio 3, no entanto, o cruzamento de dados permitiu verificar incoerência em metade deles.

Foi identificado que 70 cartões cadastrados no site são de alunos que não estão registrados na escola.

“Vamos averiguar essa questão, mas isso mostra que esse processo, ao mesmo tempo em que estabelece a eficiência de levar o cartão para a escola, estabelece também um controle mais efetivo”, pontuou.

Como funciona a entrega dos cartões nas escolas

O DFTrans encaminha os cartões prontos para serem ativados às 14 coordenações regionais de ensino de Brasília. Eles são entregues em pacotes separados por unidades de ensino, turno, série/ano e turmas, e de lá seguem para as direções das escolas.

Ao receber, os estudantes devem acessar o site do Passe Livre, escolher a opção +Estudante, clicar em Liberar cartão e informar os dados solicitados para ativar o benefício. O cartão será validado quando for utilizado pela primeira vez no transporte público.

Os estudantes têm até 20 dias para retirar os cartões depois que forem entregues nas respectivas coordenações. Passado esse prazo, os documentos serão devolvidos para o DFTrans.

Alunos com 16 anos de idade ou mais devem assinar um recibo de entrega. Os outros precisam de assinatura de representante legal anexada ao recibo.

Quem ainda não tem o benefício da gratuidade no transporte público do DF pode se cadastrar no site do Passe Livre Estudantil.

Continuar lendo

Cidades

Veja o que abre e o que fecha no segundo jogo do Brasil na Copa

em

Publicado por

Reprodução/Google Imagens

Devido aos jogos da seleção brasileira de futebol na Copa do Mundo 2018, órgãos do governo de Brasília terão expediente diferenciado, de acordo com decreto publicado em edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal, de 7 de junho.

Nos dias em que os jogos ocorrerem pela manhã, como é o caso do segundo jogo do Brasil, nesta sexta-feira (22), contra a Costa Rica, às 9 horas, o expediente terá início às 14 horas.

Porém, alguns pontos turísticos e serviços públicos seguirão outros horários. O Jardim Zoológico, por exemplo, funcionará normalmente, sem interrupções. Já o Memorial dos Povos Indígenas e Banco Regional de Brasília abrirão um pouco mais cedo do que o decretado — às 13 horas.

Todas as emergências dos hospitais e unidades de pronto-atendimento (UPAs) funcionam normalmente, independentemente do dia da semana ou de datas comemorativas.

BRB
As agências do Banco de Brasília (BRB) e as unidades do BRB Conveniência estarão fechadas durante a manhã de sexta-feira (22). Elas abrirão das 13 às 17 horas.

Detran-DF
Os postos de atendimento do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) funcionarão das 14 às 18 horas. Fiscalizações serão feitas normalmente.

Hemocentro
A Fundação Hemocentro de Brasília funcionará conforme decreto, das 14 às 18 horas.

A instituição fica no Setor Médico-Hospitalar Norte, Quadra 3, Conjunto A, Bloco 3 (Asa Norte). Agendamento e pedido de mais informações podem ser feitos pelo telefone 160, opção 2.

Na Hora
O atendimento dos postos do Na Hora começará das 14 às 18 horas.

Saúde
Emergências e unidades de pronto-atendimento (UPAs) funcionarão normalmente. Ambulatórios e unidades básicas de saúde (UBS) não abrirão no turno em que ocorrer o jogo, funcionarão a partir das 14 horas. Farmácias de componentes especializados (alto custo) seguem a mesma regra.

Segurança
Na sexta-feira (22), as delegacias circunscricionais da Polícia Civil funcionarão a partir das 14 horas. As Centrais de Flagrante funcionam 24 horas por dia. A delegacia eletrônica e o telefone 197 ficarão disponíveis.

Metrô-DF
Na sexta-feira (22), o metrô vai operar com 15 trens e 3 reservas nos terminais pela manhã. Das 12 às 14 horas, aumentará para 20 o número de trens em circulação.

DFTrans
Os ônibus seguirão a tabela normal de dia útil, inclusive com os usuais reforços em horários de pico. Além disso, das 12 às 14 horas, vão circular com o mesmo reforço de frota usado durante o período mais movimentado da manhã.

Catetinho
O funcionamento será das 14 às 17 horas.

Jardim Botânico
Funcionará com horário diferenciado, das 14 às 17 horas. A entrada custa R$ 5 por pessoa. Crianças de até 12 anos, idosos (acima de 60 anos) e pessoas com deficiência não pagam ingresso. De terça a domingo, das 7 horas às 8h50, é permitida a entrada sem cobrança de ingresso somente a pedestres e ciclistas.

Jardim Zoológico
Abre normalmente, das 8h30 às 17 horas.

A entrada custa R$ 10. Crianças de 6 a 12 anos, estudantes, idosos (acima de 60 anos), professores e beneficiários de programas sociais do governo pagam meia. Para crianças com até 5 anos e pessoas com deficiência, o ingresso é gratuito.

Memorial dos Povos Indígenas
Abre das 13 às 17 horas.

Museu Nacional
Funcionará com horário diferenciado, das 14 horas às 18h30.

Museu Vivo da Memória Candanga
Abrirá das 14 às 17 horas.

Torre de TV
A visitação ao mirante está suspensa para manutenção. O mezanino e a feira de artesanato abrirão normalmente na sexta-feira (22), das 9 às 21 horas e das 9 às 18 horas, respectivamente.

Torre de TV Digital
A visitação está suspensa para manutenção.

Biblioteca Pública de Brasília
Na sexta (22), abrirá das 14 às 18 horas.

Biblioteca Nacional de Brasília
Funcionará das 14 às 20 horas.

Casa do Cantador
Funcionará a partir das 14 horas.

Centro Cultural Três Poderes
Abrirá das 14 às 18 horas.

Cine Brasília
Funcionará normalmente.

Continuar lendo

Cidades

Ibram promove campanha de vacinação antirrábica gratuita

em

Publicado por

Andre Borges/Agência Brasília

O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) promove, no Hospital Veterinário Público, campanha de vacinação antirrábica gratuita para animais. A ação será de 26 a 29 de junho, das 9 às 16 horas, e faz parte das atividades do Junho Verde.

Para ser vacinado, o animal precisa estar saudável. É necessário levar a carteira de vacinação do bicho, se houver.

A raiva é causada pelo lyssavírus e ataca o sistema nervoso dos mamíferos — primeiramente, o sistema nervoso periférico e, na fase mais grave da doença, o central.

A transmissão se dá por meio da saliva e de secreções do animal infectado, principalmente por arranhadura ou mordedura.

Para quem foi mordido, a orientação é lavar imediatamente o ferimento com água e sabão em barra, procurar o centro de saúde mais próximo e comunicar a situação por meio do Disque Saúde (160).

Em seres humanos, o tempo entre a infecção e o aparecimento da doença varia de 7 a 10 dias. Alguns dos sintomas são convulsão, febre baixa, perda de função muscular, excitabilidade, agitação e ansiedade.

Hospital Veterinário Público de Brasília

Inaugurado em abril deste ano, o Hospital Veterinário Público tem 540 metros quadrados e foi construído pelo Ibram com recursos de compensação ambiental.

São oferecidos na unidade serviços gratuitos de clínica, cirurgias, exames laboratoriais e outros tratamentos em cães e gatos. A unidade não faz castração.

Continuar lendo
Brasília, 24 de junho de 2018

Publicidade
Publicidade
Publicidade