Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Restaurantes, academias e hotéis

Pesquisadores revelam 3 lugares onde é mais fácil contrair a Covid-19

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Stina Stjernkvist/AFP
Sputnik

Um grupo de pesquisadores dos EUA modelaram os riscos de contágio em diferentes espaços, utilizando dados de celulares de 98 milhões de pessoas, recolhidos entre março e maio deste ano em diferentes cidades dos Estados Unidos.

A conclusão chegada é que restaurantes, academias e hotéis são, depois de reabertos, os três lugares públicos que implicam o maior risco de se infectar pelo novo coronavírus (Covid-19), segundo artigo publicado na revista científica Nature.

Os pesquisadores observaram o movimento das pessoas para saber a que lugares foram, quanto tempo passaram lá, quantas pessoas havia nesse mesmo lugar e que bairros visitaram. Combinaram toda essa informação com os números de casos positivos e como se espalha o vírus para criar modelos de infecção.

Apenas em Chicago, Illinois, se os restaurantes reabrissem em plena capacidade, produziriam cerca de 600 mil novas infecções pelo coronavírus, o triplo de outras categorias, segundo dados científicos. Além disso, constataram que cerca de 10% dos lugares examinados representavam 85% dos contágios previstos.

Os modelos gerados pelo estudo sugerem que um isolamento social integral não é necessário para controlar a pandemia, mas máscaras devem usadas, distanciamento social deve ser mantido e espaços públicos com aglomerações devem ser evitados.

No caso de Chicago, o número de novos contágios hipotéticos poderia se reduzir a mais de 80%, limitando lotação a 20% nos lugares dentro da área metropolitana, segundo estudo.

O estudo destaca que a população mais pobre tem mais possibilidades de contrair a Covid-19, por ser incapaz de reduzir mobilidade, acabando em lugares mais cheios e com maior risco de infecção.

“Precisamos pensar em estratégias para reabrir a economia”, explicou Jure Leskovec, informático da Universidade de Stanford e autor principal do estudo, citado pela agência Bloomberg. “Isso nos permite testar diferentes cenários de reabertura e avaliar o que isso significaria para propagação de vírus”, acrescentou.

Publicidade
Comentários

Covid-19

Sputnik Light: nova vacina de dose única e 79,4% eficaz é registrada na Rússia

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Divulgação/RFPI

A vacina russa contra a Covid-19, Sputnik Light, de dose única, foi registrada nesta quinta (6) na Rússia, informou o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo).

Sua eficácia é de 79,4%, o que é superior a muitas vacinas de duas doses, disse o desenvolvedor de imunizante.

“O Ministério da Saúde da Rússia, o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya e o RFPI anunciam o registro da vacina de dose única Sputnik Light contra a infecção do novo coronavírus”, indica o comunicado do RFPI.

A eficácia da vacina foi calculada com base nos dados dos cidadãos russos que tomaram apenas uma dose da vacina no âmbito do programa de vacinação em massa, e não receberam a segunda injeção devido a qualquer causa no período de 5 de dezembro de 2020 a 15 de abril de 2021.

“A eficácia da vacina Sputnik Light, de dose única, correspondeu a 79,4% a partir do 28º dia do recebimento do imunizante. O indicador de eficácia de cerca de 80% é superior aos indicadores de eficácia de muitas vacinas requerentes de duas injeções”, conforme o comunicado.

Ensaios clínicos

Os ensaios clínicos mostraram que a vacina Sputnik Light é eficaz contra todas as novas cepas da Covid-19. Além disso, o RFPI informou que não foi identificado nenhum evento adverso nas pessoas que receberam o imunizante.

Após recebimento da vacina Sputnik Light, a resposta imune celular contra a proteína S do novo coronavírus é formada em 100% dos vacinados no 10º dia após a vacinação.

“A vacinação de pessoas imunes ao SARS-CoV-2 com o imunizante Sputnik Light estimula em mais de 40 vezes o aumento de anticorpos IgG em 100% dos voluntários no 10º dia após a imunização”, segundo o comunicado.

A probabilidade de um vacinado com a Sputnik Light pegar Covid-19, a partir do 28º dia do recebimento do imunizante, corresponde a 0,277%. Levando em consideração o mesmo período de tempo, o risco para adultos não vacinados de se infectar é de 1,349%.

Combate à pandemia

A vacina Sputnik Light é adequada tanto para primeira vacinação e revacinação quanto para aumento da eficácia combinado com outras vacinas, disse o diretor do Centro Gamaleya, Aleksandr Gintsburg.

Gintsburg afirmou que a Sputnik Light ajudará a evitar a propagação da Covid-19 graças à imunização mais rápida de maiores grupos da população.

“Um regime de aplicação de um componente permite que um grande número de pessoas sejam vacinadas em um curto espaço de tempo, o que é especialmente importante durante a fase aguda de disseminação de focos de infecção por coronavírus entre a população e para atingir a imunidade de rebanho mais rapidamente”, disse o diretor-geral do RFPI, Kirill Dmitriev.

A Sputnik Light não requer condições especiais de armazenamento e logística e custa menos de US$ 10 (aproximadamente R$ 53). A vacinação com apenas uma injeção permite em curto prazo imunizar maiores grupos da população e diminuir os picos epidemiológicos.

A Sputnik Light é feita do primeiro componente (adenovírus humano recombinante sorotipo 26 (Ad26)) da vacina Sputnik V, que foi a primeira vacina a ser registrada no mundo contra o coronavírus. Até 5 de maio, mais de 20 milhões de pessoas já foram vacinadas com o primeiro componente da vacina Sputnik V em todo o mundo. Ao mesmo tempo, não houve casos de trombose venosa cerebral (TVC). A produção do primeiro componente atende aos padrões mais rígidos com um procedimento de limpeza completo e quatro estágios de filtração (dois estágios cromatográficos e dois estágios de filtração tangencial).

A vacina Sputnik Light foi criada com base na plataforma estudada e testada de vetores adenovirais humanos, cujas vantagens importantes são a segurança, a eficácia e a ausência de consequências negativas de longo prazo, confirmadas em mais de 250 estudos clínicos conduzidos no mundo ao longo de duas décadas (sendo que o uso de adenovírus nas vacinas humanas começou em 1953). A vacina Sputnik V de dois componentes segue sendo a principal opção de imunização da população russa.

Continuar lendo

Centro Vektor

Vacina EpiVacCorona tem eficácia de mais de 90%, segundo desenvolvedor

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Aleksandr Kryazhev

Os anticorpos contra o novo coronavírus, após a vacinação com o imunizante russo EpiVacCorona, se desenvolvem em mais de 90% das pessoas vacinadas, de acordo com estudos entre os grupos imunizados, afirmou o chefe do departamento de infecções zoonóticas e gripe do Centro Estatal de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia Vektor, Aleksandr Ryzhikov.

“Pesquisas independentes mostram que realmente grande parte da população reage à vacinação. Já revelamos estes números entre os voluntários, atualmente estamos realizando estudos randomizados entre os grupos imunizados, vemos que estes números são significativamente maiores que 90%”, disse Ryzhikov.

O Centro Vektor informou que os testes clínicos de injeção tripla em animais confirmaram o efeito do aumento de duração da imunidade. Para os ensaios clínicos foram usados principalmente primatas, mas também hamsters e porquinhos-da-índia, afirmou Ryzhikov. O especialista revelou que a composição da vacina não foi alterada durante os testes.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Copyright © 2015-2021 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços de notícias de agências nacionais e internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #GenuinamenteBrasiliense