Curta nossa página

Doença vascular grave

Internações por trombose venosa no Brasil chegam a casa de 165 por dia

Publicado

Trombose venosa
Foto/Imagem: Freepik


Recentemente, o Brasil bateu recorde de internações em decorrência da trombose venosa, aumentando o alerta e a preocupação com esta doença vascular potencialmente grave. Estudo feito pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) com dados do Ministério da Saúde, mostrou que em 2023 uma média de 165 pessoas foram hospitalizadas diariamente na rede pública para receber tratamento contra a trombose. Além disso, mais de 489 mil brasileiros foram internados em decorrência da condição entre 2012 e no ano passado.

Em um cenário mundial, estima-se que a trombose afete cerca de 1 em cada 1.000 pessoas, segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), mas afinal o que é a trombose e como tratá-la?

A trombose é caracterizada pela formação de coágulos sanguíneos nas veias, frequentemente identificada na região das pernas, tendo como principais sintomas dor e inchaço nas pernas, que podem evoluir para complicações mais graves, como a embolia pulmonar. Para identificar a trombose, existem alguns sinais que podem ser notados:

  • Inchaço e dor na região do coágulo;
  • Vermelhidão e calor excessivo no local afetado;
  • Sensação de peso na região;
  • Rigidez na musculatura.

A especialista em cirurgia vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), Carol Mardegan, destaca que ao identificar estes sinais adjuntos aos sintomas comuns, é imprescindível procurar por ajuda especializada. “Buscar acompanhamento médico é essencial e, depois do diagnóstico feito pelo médico, é fundamental continuar o tratamento”, explica.

Para quem tem histórico familiar e quer se prevenir, Carol dá algumas dicas. “A prevenção é igualmente necessária ao acompanhamento médico, para isso, evitar o sobrepeso, o consumo excessivo de álcool, tabagismo e o colesterol alto são opções ideais para quem não quer lidar com a trombose no futuro”, salienta a especialista.

Já para os portadores da trombose que pretendem conviver melhor com a condição, a especialista também tem orientações. “Agora, com o verão e com as altas temperaturas, os sintomas tendem a ser potencializados, assim como acontece com as varizes. Se manter hidratado, utilizar meias elásticas, roupas e calçados confortáveis e tentar ao máximo se manter em movimento, podem amenizar as dores e ajudar durante o dia-a-dia”, diz Carol.

A especialista ainda alerta para o risco de agravamento dos sintomas durante viagens longas. Segundo a cirurgiã, o longo período sentado em viagens faz com que a circulação sanguínea fique mais lenta, aumentando o risco de formação desses coágulos e, consequentemente, agravando as dores.

Em viagens de carro, como reduzir os sintomas?

Para reduzir a incidência dos sintomas da trombose durante viagens de carro, a especialista recomenda algumas medidas simples. “Faça paradas a cada duas horas para esticar as pernas e caminhar por alguns minutos. Movimente os pés e as pernas durante o trajeto e evite apertar as pernas ou cruzá-las durante muito tempo”, indica Mardegan.

E em viagens aéreas, como sentir menos dores?

Já em viagens aéreas, onde o tempo prolongado sentado é ainda maior, a especialista sugere algumas estratégias adicionais para aliviar os sintomas. “Além de movimentar as pernas regularmente durante o voo, é importante usar meias de compressão elástica, que ajudam a estimular o fluxo sanguíneo. Também é recomendado evitar o consumo excessivo de álcool e se manter hidratado durante a viagem”, orienta a especialista.

A prevenção é fundamental para evitar complicações relacionadas à trombose. Portanto, se você está planejando uma viagem longa agora no final do ano, seja de carro ou avião e sofre com a trombose, tente ao máximo manter o acompanhamento médico antes das viagens. Cuide da sua saúde e desfrute de uma viagem segura e confortável.

Atualizado em 13/01/2024 – 19:53.

24 de fevereiro

Sábado é dia de vacinação contra dengue, covid-19 e outras doenças

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
Vacinação SES-DF
Foto/Imagem: Tony Oliveira/Agência Brasília

Sábado (24) é dia de vacinação no Distrito Federal. No evento GDF Mais Perto do Cidadão, que ocorre no Varjão, das 9h às 12h, e em 18 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) em outras Regiões Administrativas, bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos poderão se proteger contra doenças como covid-19, tétano e febre amarela, conforme os imunizantes indicados para cada faixa etária. Nas UBSs, as crianças de 10 e 11 anos também poderão receber a vacina contra a dengue.

Os atendimentos começam às 8h. Em onze UBSs, o trabalho vai até às 17 horas. Em outras sete, o funcionamento encerra ao meio-dia. A lista completa com endereços e horários está disponível aqui.

A orientação do GDF é levar documento e cartão de vacinação. A equipe de saúde vai analisar como estão todos os esquemas vacinais e fazer a atualização conforme a necessidade. Em alguns casos, é possível receber até mais de uma vacina no mesmo dia e garantir a proteção contra diversas doenças de uma só vez.

Atualizado em 23/02/2024 – 22:47.

Continuar lendo

Boletim Epidemiológico N.º 7

DF registra 84 mil casos notificados de dengue desde o início do ano

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
Dengue mosquito Aedes aegypti
Foto/Imagem: Freepik

Novo boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (20) pela Secretaria de Saúde (SES-DF) confirma a notificação de 84.151 casos de dengue desde o início de 2024 no Distrito Federal. Do total, 81.804 são prováveis, dos quais 1.812 foram de residentes de outros estados: Goiás (1.695), Minas Gerais (36), São Paulo (16) e Bahia (10). Os dados são referentes até o dia 19 de fevereiro.

Entre os residentes do DF, a maior incidência de casos prováveis está na faixa etária de 20 a 29 anos, com incidência de 2.865,6 casos por 100 mil habitantes. A menor ocorrência é entre as crianças de 1 a 4 anos, com 1.212,7 casos por 100 mil habitantes, seguido por aquelas com menos de um ano – um caso para cada 100 mil.

Entre as Regiões Administrativas (RAs), Ceilândia continua a ter o maior número de casos prováveis, com 14.718 desde o início do ano. Em seguida, vem Taguatinga (4.428), Sol Nascente/Pôr do Sol (4.352), Brazlândia (4.069), Samambaia (3.378). Há casos confirmados em todas as RAs, sendo a incidência classificada como baixa em Sudoeste/Octogonal e no Park Way, e média em Arniqueira, Jardim Botânico, Lago Sul e Águas Claras. As demais foram classificadas como de incidência alta.

Casos graves e óbitos

Até o dia 19 de fevereiro, foram confirmados no DF 1.399 casos de dengue com sinais de alarme, isto é, sintomas de agravamento da doença. Um total de 67 ocorrências foram classificadas como graves e houve a confirmação de 38 óbitos. Destes, foram 22 homens e 16 mulheres. Em termos de idade, houve óbito confirmado de um bebê menor de um ano, de uma criança de 5 a 9 anos e de um adolescente de 15 a 19 anos. Ocorreram ainda 15 óbitos de adultos entre 20 e 59 anos e 20 entre idosos a partir de 60 anos, sendo oito somente entre os maiores de 80 anos.

Sorotipos

A SES-DF ampliou a capacidade de detecção dos sorotipos virais. Em 2023, foram analisadas mais de mil amostras coletadas por meio de exames de PCR. Neste ano, já foram coletadas 17.439 amostras, sendo 10,9 mil detectáveis. Isso permitiu confirmar 1.129 casos do sorotipo DenV-1 e 9.813 do DenV-2. Não foram confirmados casos dos sorotipos DenV-3 e DenV-4 na capital federal.

Atendimento

A rede de 176 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) é a porta de entrada para o atendimento a pacientes com sintomas de dengue, com assistência das 7h às 18h. Dez unidades estão abertas todos os dias, das 7h às 19h. Outras 49 acolhem também aos sábados, das 7h às 12h; e mais 11 funcionam de segunda a sexta-feira, até às 22h.

De 1º de janeiro a 16 de fevereiro, ocorreram mais de 124 mil atendimentos nas UBSs, representando quase 24% do total de acolhimentos realizados na Atenção Primária à Saúde. Além disso, de 20 de janeiro a 18 de fevereiro, foram 37.162 atendimentos em nove tendas montadas junto a administrações regionais, incluindo 9.930 procedimentos de hidratação venosa e 973 remoções para hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Vacinação

A SES-DF conta atualmente com 67 UBSs onde crianças de 10 e 11 anos de idade podem receber a vacina contra a dengue. Desde o dia 9 de fevereiro, já foram aplicadas 19.588 doses.

Atualizado em 20/02/2024 – 20:10.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana