Curta nossa página

Schistocerca americana

Gafanhotos poderão substituir cães na detecção de explosivos

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Baranidharan Rama/Washington University
BBC

Para detectar explosivos, autoridades usam cães treinados especificamente para esse fim. O olfato canino é um dos melhores nesse sentido. Mas capacitar um cachorro para cumprir essa tarefa que salva milhares de vidas todos os anos é uma atividade custosa e exige muito tempo e dedicação.

Porém, um estudo da Universidade de Washington em Missouri, nos Estados Unidos, descobriu outro animal que pode ser um detector ideal de substâncias explosivas.

Trata-se do gafanhoto-sul-americano, o Schistocerca american— seu nome científico.

Menos treinamento que os cães

Enquanto o olfato em humanos ou cães depende do nariz, em insetos, os receptores olfativos são encontrados nas antenas. Graças a elas, eles podem detectar odores no ar, seja de comida, de predadores ou produtos químicos.

Os neurônios receptores olfativos, por sua vez, enviam sinais elétricos para uma parte do cérebro do inseto conhecida como lobo antenal.

Cada antena do gafanhoto-sul-americano tem cerca de 50.000 destes neurônios.

Para aproveitar esse sistema e avaliar a capacidade do gafanhoto-sul-americano de diferenciar aromas, o pesquisador Baranidharan Rama e sua equipe implantaram eletrodos nos lobos das antenas dos insetos.

Em seguida, lançaram diferentes vapores nas proximidades. Alguns continham traços de explosivos como dinamite, trinitrotolueno (TNT) e 2,4-dinitrotolueno (DNT). Outros, continham substâncias inofensivas.

Assim, descobriram que as diferentes essências ativavam diferentes neurônios nos lobos das antenas dos insetos.

Ao analisar os sinais elétricos detectados pelos eletrodos, os pesquisadores conseguiram determinar quando os insetos detectavam explosivos e quando não.

Gafanhoto com mochila

Para ler os sinais, os pesquisadores equiparam os insetos com pequenos sensores — um tipo de mochila que eles carregavam na parte de trás do corpo — que registravam os sinais e os transmitiam diretamente para o computador.

Devido ao peso deste dispositivo, os gafanhotos perderam mobilidade. Mas, para superar esse obstáculo, os cientistas os colocaram em uma pequena plataforma com rodas e controle remoto que lhes permitiam movê-los em direções diferentes.

Quando testado com um único inseto, a precisão da detecção foi de 60%. Quando eles testaram sete gafanhotos juntos, a precisão chegou a 80%.

“Nosso estudo fornece a primeira demonstração de como os sistemas olfativos biológicos podem ser usados para desenvolver uma abordagem de detecção química robótica”, disseram os autores do estudo.

A capacidade dos gafanhotos de detectar explosivos foi estendida por sete horas. Após esse período, eles ficaram esgotados e morreram.

O próximo passo será avaliar como eles se comportam e qual a sua eficácia detectando explosivos se o ambiente apresentar vários odores, como seria o caso em uma situação real.

Keith Mortman

Vídeo mostra danos causados por novo coronavírus nos pulmões

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Instituto Peter Doherty

O vídeo de um hospital norte-americano mostra os pulmões de um homem que não apresentava sintomas para o novo coronavírus e, hoje, está infectado e seus órgãos estão deixando de funcionar como deveriam. A informação é de Keith Mortman, chefe do setor de cirurgia torácica do Hospital da Universidade George Washington.

A instituição divulgou, recentemente, o vídeo que mostra, em 3D, os pulmões de um paciente com Covid-19. As imagens indicam os danos extensivos causados aos órgãos de um homem de 59 anos, com pressão alta.

Desde que o paciente ficou doente, ele precisa de um ventilador respiratório para ajudá-lo a inspirar e expirar. Mesmo assim, não é suficiente. Ele também necessita de outra máquina para circular e oxigenar o sangue.

“Não se trata de um paciente de 70, 80 anos imunossuprimido (com o sistema imunológico muito vulnerável a infecções) e diabético”, afirmou Mortman. “Tirando a pressão alta, ele não tem nenhum outro problema médico significativo. Este é um homem que cuidava da própria vida e contraiu o vírus. Se fizermos um novo vídeo agora, uma semana depois do original, há uma chance de que a infecção e o processo inflamatório possam estar piores”, explicou.

Nas imagens, as áreas marcadas em amarelo representam as partes infectadas e inflamadas dos pulmões, detalhou Mortman. Quando eles se deparam com uma infecção viral, começam a selar o vírus.

Nota-se que os danos não ficam restritos a apenas uma região do órgão, mas se estendem por faixas enormes dos dois pulmões, mostrando o quão rápida e agressiva a infecção pode ser, mesmo em pacientes mais novos. Uma pessoa saudável não teria as marcações em amarelo que aparecem no vídeo, segundo o médico. O paciente em questão está, agora, internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em estado grave.

“Para esses pacientes que apresentam insuficiência respiratória progressiva, os danos aos pulmões ocorrem de forma rápida e generalizada (como mostram as imagens do vídeo)”, destacou Mortman em um e-mail.

“Infelizmente, uma vez que estiver nesse estágio da doença, os pulmões podem levar muito tempo para se recuperar. Para cerca de 2% a 4% dos pacientes com Covid-19 (dependendo do número de indivíduos infectados que se considera), o problema é irreversível e eles acabam sucumbindo à doença”, explicou.

A resposta dos pulmões à doença

O novo coronavírus é essencialmente de natureza respiratória. Ele “atinge as membranas mucosas e, depois, os pulmões. A maneira com a qual o corpo tenta controlar isso ocorre por meio da inflamação”, segundo Mortman.

Os pontos em amarelo nas imagens mostram infecções e inflamações. “Então você contrai essa grave inflamação nos pulmões como tentativa do corpo em controlar a infecção.”

A inflamação impede os pulmões de oxigenar o sangue e remover o dióxido de carbono, o que faz o paciente arfar ou inalar uma grande quantidade de ar para equilibrar os níveis de oxigênio e dióxido de carbono.

As imagens sugerem que as palavras para descrever os sintomas comuns da doença – como tosse e dificuldade de respiração – não podem expressar realmente o impacto do vírus no corpo humano.

Em algumas pessoas, segundo Mortman, os danos podem ser irreversíveis, tornando fundamental que as pessoas sigam as recomendações de manter o distanciamento social e o isolamento. “Quero que as pessoas vejam e entendam o que isso pode fazer”, disse o médico. “Elas precisam levar isso a sério.”

O Hospital da Universidade George Washington costuma usar as imagens em 3D para identificar câncer em pacientes e planejar procedimentos cirúrgicos. Mas, pela primeira vez, a tecnologia foi aplicada para combater o novo coronavírus.

“Estamos no escuro com essa doença”, afirmou Mortman. “Queremos entendê-la da melhor forma que pudermos. Esse é o nosso primeiro paciente, mas tenho certeza de que é o primeiro de muitos que virão nas próximas semanas.”

Continuar lendo

Passou China e Itália

Coronavírus: EUA assumem ponta com 81.378 casos e 1.178 mortos

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Eduardo Munoz/Reuters

Os Estados Unidos ultrapassaram a China e a Itália como o país com o maior número de casos de coronavírus, de acordo com dados da agência de notícias britânica Reuters.

Nova York, Nova Orleans e outros áreas de forte incidência enfrentam um aumento nas hospitalizações e iminente escassez de suprimentos, pessoal e leitos para os doentes.

As instalações médicas estão com poucos ventiladores e máscaras protetoras e são prejudicadas pela capacidade limitada de testes de diagnóstico.

O número de casos de coronavírus nos Estados Unidos chegou a 81.378. A China ficou em segundo lugar com 81.340 casos, segundo os últimos dados, e a Itália em terceiro: 80.539.

Pelo menos 1.178 pessoas morreram nos Estados Unidos pelo novo coronavírus (Covid-19).

Continuar lendo

Alerta da OMS

Estados Unidos podem se tornar novo epicentro do coronavírus

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Carlo Allegri/Reuters

Os Estados Unidos têm potencial para se tornarem o novo epicentro da pandemia de Covid-19 após “aceleração muito rápida” no número de casos, disse a OMS (Organização Mundial da Saúde) em conferência nesta terça-feira (24).

O novo coronavírus já atingiu mais de 42 mil pessoas nos EUA. Nas últimas 24h, 85% dos novos casos em todo o mundo eram da Europa ou dos Estados Unidos. Desses, 40% eram pacientes americanos, informou a porta-voz da OMS, Margaret Harris.

Questionada se os EUA poderiam se tornar o novo epicentro, Harris respondeu que ainda não pode dizer que é o caso, mas que o país “tem esse potencial”.

O painel da OMS que acompanha a evolução do vírus registou 40 mil novos casos nesta segunda (23) — o maior aumento desde o início da epidemia em dezembro. Harris disse que se pode esperar novos recordes a cada dia, até que sejam tomadas medidas mais duras de confinamento.

Novo coronavírus no mundo

Até o momento, a Europa é o centro da transmissão do novo coronavírus. A Itália é o país mais atingido, com o maior número de mortes até o momento. No entanto, a taxa de infecções e fatalidades tem começado a desacelerar no país. “Começamos a enxergar um pouco de esperança na Itália”, disse Harris.

A OMS também demonstrou preocupação nos casos crescentes em países com sistemas de saúde pouco estruturados e altas taxas de infecção pelo HIV.

O número de pacientes de Covid-19 na África do Sul subiu para 554 nesta terça. Uma quarentena nacional será imposta no país a partir desta quinta (26), conforme decreto do presidente Cyril Ramaphosa.

A pandemia tem crescido exponencialmente, com casos reportados em 189 países e territórios. Até o momento, a OMS confirma 334.981 casos e 14.652 mortes pela nova doença em todo o mundo.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2020 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agências Internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #FakeNewsNão