Curta nossa página

Público específico

Fiocruz aposta em vacinação contra Covid-19 a partir de 2021

Redação

Publicado

vacina covid-19
Foto/Imagem: Dado Ruvic/Reuters
Wellton Máximo

Segue a gente no
Google News

Pesquisadores da Fiocruz apostam em vacinação inicial contra a Covid-19 em fevereiro de 2021 para um público específico. A partir daí, a produção nacional das doses poderá garantir imunização à população em geral, afirma a vice-diretora de Qualidade da Bio-Manguinhos (Fiocruz), Rosane Cuber Guimarães.

Os recentes resultados de pesquisas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, sobre a segurança da vacina contra a Covid-19 elevaram o nível de otimismo em todo o mundo que, desde dezembro do ano passado, observa o alastramento do novo coronavírus, causador da doença, em todas as regiões. As pesquisas das fases 1 e 2, exigidas pelo procedimento científico, descartaram efeitos adversos graves provocados pela vacina. Foram registrados relatos de pequenos sintomas, como dores locais ou irritabilidade, aceitos em vacinas contra outras doenças.

O Brasil foi um dos países escolhidos para participar da Fase 3 dos estudos, que testa a eficácia da vacina. Os testes, que estão a cargo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e outras instituições parceiras, envolvem 5 mil voluntários de São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador. A expectativa é detectar a capacidade de imunização das doses e, a partir daí, a Fiocruz – parceira brasileira nas pesquisas de Oxford – receberá autorização para importar o princípio ativo concentrado, que será convertido inicialmente em 30 milhões de doses a serem aplicadas em parcela da população brasileira.

Rosane Guimarães disse que, em dezembro deste ano, o Brasil receberá 15 milhões de doses e, em janeiro, mais 15 milhões de doses.

“Estamos recebendo agora apenas 30 milhões de doses porque precisamos, antes de liberar a vacina, ter certeza da comprovação da eficácia dela. Então nós adquirimos 30 milhões de doses no risco e, se a vacina se comprovar eficaz, vamos receber mais 70 milhões de doses, totalizando, para o país, no primeiro ano, 100 milhões de doses de vacinas”, disse.

A Bio-Manguinhos será responsável pela transformação do princípio ativo e fará a formulação final das vacinas, além de envasar, rotular e entregar o material para que o Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde faça a distribuição. As primeiras doses devem ser destinadas aos grupos de risco, como profissionais de saúde e pessoas idosas, mas isso ainda está em debate.

Caso as previsões se confirmem, a expectativa é que o país passe a produzir nacionalmente a vacina a partir do segundo semestre de 2021. “Paralelamente a isso, precisamos avaliar se será necessária apenas uma dose da vacina, se serão necessárias duas doses, se será necessário revacinar. São perguntas para as quais ainda não temos respostas. Os estudos vão continuar”, disse a especialista em vigilância sanitária.

Segundo Rosane, a vacina está em um excelente caminho e avançou rapidamente porque Oxford já trabalhava com o mesmo adenovírus de chimpanzé que está sendo usado nas pesquisas, um vírus que não causa doença em seres humanos.

Rosane explicou que a vacina carrega uma sequência do RNA do coronavírus e da proteína spike, que pode garantir que um organismo produza anticorpos. “Eles fizeram testes nessa plataforma [utilizando esse princípio] para Mers [síndrome respiratória do Médio Oriente] e para ebola. Eles já tinham grande parte do que é necessário para produção da vacina, preparado, o que já foi um acelerador. Outra coisa é que, neste momento de pandemia, os estudos clínicos foram facilitados e houve colaboração entre os países.”

Mesmo com os indicativos positivos, Rosane alerta que a pandemia não vai ser resolvida de uma hora para outra. “Acreditamos que, em 2021, ainda não se consiga vacinar completamente toda a população. Nossa orientação é que enquanto a vacina não sai, ou ainda estiver sendo aplicada, que as pessoas mantenham as orientações que já existem hoje: uso da máscara, lavar as mãos, evitar aglomeração, distanciamento. Ainda temos que continuar convivendo com esses cuidados até que todas as respostas sejam dadas pela vacina.”

A possibilidade de um revés é praticamente descartada pela pesquisadora. Segundo Rosane, a Fase 3 dos estudos pode, sim, apontar um grau de imunização de mais de 90%. “Se for maior, a gente consegue relaxar um pouco”, mas há riscos de que essa eficácia atinja níveis de apenas 50% ou 70%. “Vamos ter que fazer mais estudos e talvez buscar uma vacina com potencial maior, mas já será um alento se tivermos uma vacina com mais de 70%.”

Atualmente, o Brasil é terreno fértil para a pesquisa por ocupar o segundo lugar entre os países com maior número de casos da Covid-19.

Há outras empresas trazendo vacinas para o Brasil. Um exemplo é a pesquisa desenvolvida pela parceria entre o Instituto Butantan e a empresa chinesa Sinovac, com sede em Pequim. Nas próprias instalações da Bio-Manguinhos, cientistas brasileiros desenvolvem dois estudos, que estão ainda em fase pré-clínica, com experimentos em animais.

Publicidade

Linha de frente

GDF reforça equipes de combate ao novo coronavírus (Covid-19)

Redação

Publicado

Por

Redação
GDF reforça equipes de combate ao novo coronavírus
Foto/Imagem: Davidyson Damasceno/IGESDF

As ações de combate do GDF à Covid-19 ganharam reforços importantes na linha de frente. A Secretaria de Saúde (SES) tem remanejado profissionais de ambulatórios e policlínicas para as equipes nos prontos-socorros, enfermarias e outras áreas de grande demanda nos hospitais e Unidades Básicas de Saúde (UBSs), conforme a necessidade de cada região.

A medida ocorre de forma excepcional e temporária, no âmbito de toda a Secretaria de Saúde, com o objetivo primordial de salvar vidas. Os gestores da Saúde do GDF asseguram: nenhuma das unidades que remanejaram profissionais precisou ou precisará ser fechada. “O que estamos fazendo é para preservar vidas de quem está em situação aguda e urgente”, explica o Subsecretário de Atenção Integral à Saúde, Gustavo Bernardes.

A redução na procura por ambulatórios e policlínicas por parte da população foi de 47% durante a pandemia. Conforme a necessidade, os profissionais estão sendo realocados.

Os atendimentos oncológicos e cardiovasculares seguem normalmente. E, apesar da suspensão das cirurgias eletivas, forças-tarefas de cirurgias de outras especialidades também estão sendo realizadas em pacientes internados, reduzindo o tempo de hospitalização.

Continuar lendo

Débora Hofstatter

Covid-19: terapia promete manter o equilíbrio durante a pandemia

Redação

Publicado

Por

Redação
Terapia Cognitiva Extrafísica
Foto/Imagem: Shutterstock

A chegada da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) abalou as emoções, sentimentos e pensamentos de toda a população mundial. Aqui no DF, a grande maioria da população se encontra perdida em um momento em que as emoções que trazem o medo, a angustia, a insegurança ganham espaço e muitas vezes comandam todo o emocional. Para lidar com essas questões, a terapeuta integrativa e holística, Débora Hofstatter apresenta a Terapia Cognitiva Extrafísica (TCE), uma técnica que o paciente na primeira sessão sente de imediato um alívio emocional. O método já foi testado em diversas pessoas ao longo de cinco anos.

Débora destaca que a TCE traz inúmeros benefícios e pode apresentar resultados rápido nesse momento. “A TCE ajuda a alterar energeticamente a vibração do campo mental, traz consciência e clareza cognitiva, faz a reprogramação de pensamentos, sentimentos e reações ao meio que o paciente está envolvido, alivia na redução do sofrimento e consegue construir um novo olhar e achar uma saída para situações inesperadas”, esclarece.

O assistente administrativo, Diogo Benon conta que retornou ao estudo universitário, em 2020, e que resolveu procurar a terapia em busca da concentração, foco e diminuição da insegurança, pois percebeu que quando tinha alguma dificuldade maior abria mão dos seus projetos pessoais. “A TCE tem me ajudado nessas áreas e principalmente nessa pandemia, pois me auxilia a controlar a ansiedade e focar no que é necessário para concluir minhas metas e também nas pequenas coisas do dia a dia. Cada sessão que faço sinto que venho evoluindo, me sinto mais focado e seguro de que conquistarei meus objetivos e menos ansioso para bater as metas de longo prazo”, defende.

Em tempos de pandemia, a técnica pode ser aplicada totalmente online, respeitando o distanciamento social e garantindo a segurança do paciente e terapeuta. Os interessados podem agendar um atendimento virtual pelo telefone (61) 98134-7282.

A hipnoterapeuta Mabel Guedes é a criadora do método, quando há 7 anos introduziu essa terapia para uma paciente de forma experimental e que trouxe resultados imediatos. Segundo Mabel, cada sessão é única, temática e específica, com uso de técnica de hipnose e sem um horário específico para a aplicação da técnica.

Débora Hofstatter

Iniciou no universo das terapias integrativas em 2015. Terapeuta integrativa e holística, pós-graduada em Medicina Chinesa – Acupuntura. Facilitadora de Barras de Acces Consciouness. Formada no curso de Terapia Cognitiva Extrafísica e certificada nas formações Florais de Bach, terapia do Caminho da Vida e Reiki.

Continuar lendo

172 leitos

GDF retoma licitação do novo Hospital Oncológico de Brasília

Redação

Publicado

Por

Redação
uti
Foto/Imagem: Pixabay

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) e no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF), o novo edital de licitação para a contratação da empresa que vai construir o Hospital Oncológico de Brasília – o primeiro dessa especialidade no DF. A obra terá um valor estimado de R$ 119.102.911,80, recursos oriundos do Ministério da Saúde e disponibilizados pela Caixa Econômica Federal.

O certame para contratação da empresa executora do serviço será realizado pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) em 27 de agosto, às 9h. À instituição, que será responsável pela fiscalização do serviço, também coube elaborar o projeto executivo do empreendimento, assinado pela Diretoria de Edificações. O prazo de conclusão da obra é de 36 meses.

Os R$ 119 milhões investidos no edital custearão tanto a construção da unidade quanto o fornecimento de equipamentos hospitalares. O projeto consiste em uma unidade hospitalar com 172 leitos, sendo 152 de internação e 20 de unidade de terapia intensiva (UTI), além de consultórios multidisciplinares, alas para tratamento de quimioterapia, radioterapia, medicina nuclear, endoscopia e salas de cirurgia conjugadas. Exames de imagem, como mamografia, ultrassom e raios X, também poderão ser realizados no local.

De acordo com a Secretaria de Saúde (SES), o Hospital Oncológico de Brasília, quando em funcionamento, terá capacidade para realizar até nove mil atendimentos anuais, atendendo à demanda pública de pacientes oncológicos existente no Distrito Federal, que em 2019 foi de 6.247 enfermos.

A nova unidade de saúde será erguida numa área de mais de 33 mil metros quadrados no Setor Noroeste, perto do Hospital da Criança de Brasília José de Alencar.

Atualmente, a rede pública de saúde do DF atende a pacientes oncológicos nos hospitais de Base (HB), Regional de Taguatinga (HRT) e Universitário de Brasília (HUB). O novo edital e seus anexos podem ser acessados no site da Novacap.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2020 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agências Internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #FakeNewsNão