Curta nossa página

InCor

Dieta vegetal reduz risco de infecção por covid-19, sugere estudo

Publicado

Dieta vegetal covid-19
Foto/Imagem: Freepik


Estudo conduzido por um grupo de especialistas do InCor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP) e publicado na revista acadêmica BMJ Nutrition Prevention & Health, sugere que uma dieta predominantemente vegetal ou baseada em plantas estão associadas a probabilidades 39% mais baixas de infecção por covid-19.

O estudo observacional considerou respostas a um inquérito de hábitos alimentares de 702 voluntários, coletados entre março e julho de 2022, período em que o Brasil enfrentava a terceira onda da pandemia de covid-19. Com base nas respostas sobre o estilo de vida, sono, atividade física e alimentação, os pesquisadores compararam os resultados de acordo com a divisão de dois grupos: grupo de dieta onívora e grupo de dieta baseada em vegetais, sendo esta última categoria dividida em vegetarianos (incluindo veganos e ovo-lacto-vegetarianismo) e os semi-vegetarianos (que comiam carne 3 ou menos vezes por semana).

Da amostra total de respostas, 330 pessoas (47%) relataram diagnóstico de covid-19 (incidência). Desses indivíduos, 224 (32%) foram diagnosticados com sintomas leves e 106 (15%) com sintomas de moderados a graves. A incidência de covid-19 no grupo de alimentação onívora foi de 51%, significativamente maior em comparação com o grupo de dieta baseada em vegetais, que foi de 39%. A duração dos sintomas pela infecção por covid-19 não foi diferente entre os grupos.

Os onívoros também relataram uma taxa mais elevada de condições médicas e taxas mais baixas de atividade física do que os grupos dietéticos à base de plantas. E a prevalência de sobrepeso e obesidade foi significativamente maior entre os onívoros – fatores associados a maior risco de infecção por covid-19 e sintomas ou complicações mais graves.

Não houve diferenças significativas entre sexo, idade e vacinação entre os grupos onívoros e baseados em plantas. Mas um número significativamente maior de pessoas que praticam uma dieta baseada em vegetais recebeu formação educacional de pós-graduação.

“Os padrões alimentares baseados em plantas são ricos em antioxidantes, fitoesteróis e polifenóis, que afetam positivamente vários tipos de células implicadas na função imunológica e exibem efeitos diretos em propriedades antivirais. Portanto, uma dieta rica em vegetais, legumes, nozes e pobre em laticínios e carne, pode ser protetora”, explica Dr. Júlio César Acosta-Navarro, pesquisador principal do estudo e médico da Unidade Clinica de Emergência do Instituto do Coração.

Os pesquisadores sugerem como explicação para suas descobertas o fato de que dietas predominantemente baseadas em vegetais forneçam mais nutrientes que estimulam o sistema imunológico e ajudam a combater infecções virais. O sistema imunológico, por sua vez, utiliza uma série de mecanismos de defesa para combater infecções, portanto, é necessário ter uma quantidade adequada de enzimas antioxidantes, vitaminas e peptídeos. Sem eles, a capacidade do sistema imunológico será prejudicada.

Este é um estudo observacional, no entanto, e como tal, não pode estabelecer fatores causais. Os pesquisadores também reconhecem que o estudo se baseou na recordação pessoal e na avaliação subjetiva, ambas propensas a erros. O projeto também teve colaboração com a Universidade Federal da Grande Dourados.

“Com os resultados desta pesquisa que se somam às conclusões de outros estudos, e devido à importância de identificar fatores que podem influenciar a incidência da covid-19, recomendamos a prática de seguir dietas à base de plantas ou padrões alimentares vegetarianos”, conclui Dr. Júlio César Acosta-Navarro.

Atualizado em 15/01/2024 – 08:27.

24 de fevereiro

Sábado é dia de vacinação contra dengue, covid-19 e outras doenças

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
Vacinação SES-DF
Foto/Imagem: Tony Oliveira/Agência Brasília

Sábado (24) é dia de vacinação no Distrito Federal. No evento GDF Mais Perto do Cidadão, que ocorre no Varjão, das 9h às 12h, e em 18 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) em outras Regiões Administrativas, bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos poderão se proteger contra doenças como covid-19, tétano e febre amarela, conforme os imunizantes indicados para cada faixa etária. Nas UBSs, as crianças de 10 e 11 anos também poderão receber a vacina contra a dengue.

Os atendimentos começam às 8h. Em onze UBSs, o trabalho vai até às 17 horas. Em outras sete, o funcionamento encerra ao meio-dia. A lista completa com endereços e horários está disponível aqui.

A orientação do GDF é levar documento e cartão de vacinação. A equipe de saúde vai analisar como estão todos os esquemas vacinais e fazer a atualização conforme a necessidade. Em alguns casos, é possível receber até mais de uma vacina no mesmo dia e garantir a proteção contra diversas doenças de uma só vez.

Atualizado em 23/02/2024 – 22:47.

Continuar lendo

Boletim Epidemiológico N.º 7

DF registra 84 mil casos notificados de dengue desde o início do ano

Publicado

Por

Ao Vivo de Brasília
Dengue mosquito Aedes aegypti
Foto/Imagem: Freepik

Novo boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira (20) pela Secretaria de Saúde (SES-DF) confirma a notificação de 84.151 casos de dengue desde o início de 2024 no Distrito Federal. Do total, 81.804 são prováveis, dos quais 1.812 foram de residentes de outros estados: Goiás (1.695), Minas Gerais (36), São Paulo (16) e Bahia (10). Os dados são referentes até o dia 19 de fevereiro.

Entre os residentes do DF, a maior incidência de casos prováveis está na faixa etária de 20 a 29 anos, com incidência de 2.865,6 casos por 100 mil habitantes. A menor ocorrência é entre as crianças de 1 a 4 anos, com 1.212,7 casos por 100 mil habitantes, seguido por aquelas com menos de um ano – um caso para cada 100 mil.

Entre as Regiões Administrativas (RAs), Ceilândia continua a ter o maior número de casos prováveis, com 14.718 desde o início do ano. Em seguida, vem Taguatinga (4.428), Sol Nascente/Pôr do Sol (4.352), Brazlândia (4.069), Samambaia (3.378). Há casos confirmados em todas as RAs, sendo a incidência classificada como baixa em Sudoeste/Octogonal e no Park Way, e média em Arniqueira, Jardim Botânico, Lago Sul e Águas Claras. As demais foram classificadas como de incidência alta.

Casos graves e óbitos

Até o dia 19 de fevereiro, foram confirmados no DF 1.399 casos de dengue com sinais de alarme, isto é, sintomas de agravamento da doença. Um total de 67 ocorrências foram classificadas como graves e houve a confirmação de 38 óbitos. Destes, foram 22 homens e 16 mulheres. Em termos de idade, houve óbito confirmado de um bebê menor de um ano, de uma criança de 5 a 9 anos e de um adolescente de 15 a 19 anos. Ocorreram ainda 15 óbitos de adultos entre 20 e 59 anos e 20 entre idosos a partir de 60 anos, sendo oito somente entre os maiores de 80 anos.

Sorotipos

A SES-DF ampliou a capacidade de detecção dos sorotipos virais. Em 2023, foram analisadas mais de mil amostras coletadas por meio de exames de PCR. Neste ano, já foram coletadas 17.439 amostras, sendo 10,9 mil detectáveis. Isso permitiu confirmar 1.129 casos do sorotipo DenV-1 e 9.813 do DenV-2. Não foram confirmados casos dos sorotipos DenV-3 e DenV-4 na capital federal.

Atendimento

A rede de 176 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) é a porta de entrada para o atendimento a pacientes com sintomas de dengue, com assistência das 7h às 18h. Dez unidades estão abertas todos os dias, das 7h às 19h. Outras 49 acolhem também aos sábados, das 7h às 12h; e mais 11 funcionam de segunda a sexta-feira, até às 22h.

De 1º de janeiro a 16 de fevereiro, ocorreram mais de 124 mil atendimentos nas UBSs, representando quase 24% do total de acolhimentos realizados na Atenção Primária à Saúde. Além disso, de 20 de janeiro a 18 de fevereiro, foram 37.162 atendimentos em nove tendas montadas junto a administrações regionais, incluindo 9.930 procedimentos de hidratação venosa e 973 remoções para hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Vacinação

A SES-DF conta atualmente com 67 UBSs onde crianças de 10 e 11 anos de idade podem receber a vacina contra a dengue. Desde o dia 9 de fevereiro, já foram aplicadas 19.588 doses.

Atualizado em 20/02/2024 – 20:10.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana