Curta nossa página

Em busca da cura

Covid-19: dos EUA à China, países estão prontos para testar vacinas

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Getty Images
BBC

Segue a gente no
Google News

A corrida para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus, causador da doença Covid-19, avança rapidamente.

Na terça-feira (17), o governo da China anunciou que havia desenvolvido “com êxito” uma vacina contra o vírus SARS-CoV-2 e que já havia autorizado os testes em humanos.

As autoridades chinesas não disseram quando os testes começarão.

O anúncio ocorreu um dia após os Estados Unidos iniciarem os primeiros testes em humanos de uma possível vacina. Quarenta e cinco voluntários saudáveis participam dos testes.

Porém, segundo especialistas, serão necessários vários meses – talvez até 18 – para saber se essas vacinas funcionam.

Isso porque os protocolos internacionais exigem um longo acompanhamento para saber se as vacinas são eficazes e não causam efeitos nocivos.

Veja a seguir em que pé estão algumas das principais iniciativas para desenvolver a vacina contra o novo coronavírus:

China

Segundo o governo da China, a vacina chinesa foi desenvolvida pela equipe de pesquisadores da Academia Militar de Pesquisa Médica, ligada à Academia Militar de Ciências.

A epidemióloga Chen Wei, que lidera o grupo, disse que a vacina cumpre todos os padrões internacionais e regulamentos locais, e que está pronta para “uma produção em grande escala, segura e efetiva”.

Porém, essa não é a única vacina desenvolvida na China contra o novo coronavírus.

Várias instituições chinesas disseram na terça-feira (17) que iniciarão em abril os testes clínicos para comprovar a eficiência de várias vacinas em que vêm trabalhando, segundo a agência de notícias EFE.

Uma dessas vacinas já está sendo testada em animais. Ela foi desenvolvida por um grupo que inclui pesquisadores das universidades de Pequim, Tsinghua e Xiamen, segundo o Ministério da Educação chinês.

Também em abril ocorrerão os testes de uma vacina desenvolvida na plataforma mRNA, segundo o subdiretor da Comissão Municipal de Saúde de Xangai, Yi Chengdong. Essa vacina foi criada a partir de proteínas virais derivadas das proteínas estruturais de um vírus.

EUA

Os primeiros testes de uma vacina contra o novo coronavírus nos EUA estão sendo feitos na cidade de Seattle pela organização Kaiser Permanente.

Segundo uma nota divulgada pela instituição, os primeiros quatro voluntários receberam nesta terça-feira injeções. Os testes são respaldados pelo governo.

A vacina não poderá causar a Covid-19, pois contém um código genético inofensivo copiado do vírus que provoca a doença.

Os trabalhos – financiados pelo National Institutes of Health – pularam um passo que normalmente é seguido nessas iniciativas: garantir primeiro que a vacina consiga provocar uma resposta imune em animais.

Os pesquisadores, da empresa Moderna Therapeutics, disseram que a vacina foi criada com um processo de eficácia comprovada.

“Essa vacina usa uma tecnologia pré-existente. Foi criada com um padrão muito alto, empregando coisas que sabemos que são seguras para as pessoas, e quem participa no teste será submetido a um acompanhamento muito rigoroso”, disse o médico John Tregoning, especialista em doenças infecciosas do Imperial College de Londres.

“Sim, isso está muito rápido, mas esta é uma corrida contra o vírus, e não contra outros pesquisadores, e está sendo feito pelo bem da humanidade”, afirma.

Os voluntários receberão doses diferentes da vacina experimental. Cada um será vacinado no braço em duas ocasiões, com um intervalo de 28 dias.

Alemanha

A imprensa da Alemanha noticiou no domingo (15) que o governo dos EUA havia oferecido ao laboratório alemão CureVac “grande quantias de dinheiro” para ter acesso exclusivo a uma vacina para a Covid-19 em desenvolvimento.

Segundo a revista Die Welt, o presidente Donald Trump estava fazendo “todo o possível para garantir uma vacina contra o coronavírus para os EUA, mas apenas para os EUA”.

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, disse que a compra do laboratório CureVac pelo governo Trump estava “fora de cogitação”, e que a companhia desenvolveria a vacina “para todo o mundo”, e “não para países específicos”.

Brasil

O imunologista Jorge Kalil, diretor do laboratório de imunologia do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, lidera uma pesquisa financiada pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) para desenvolver no Brasil a vacina contra o novo coronavírus.

Desde segunda-feira, Kalil acompanha os trabalhos à distância, após seu filho ser diagnosticado com a Covid-19.

Os cientistas brasileiros sob sua liderança, ligados à Faculdade de Medicina da USP, irão sintetizar em laboratório uma parte de uma proteína do coronavírus, importante para penetração na célula.

Por meio do método, os cientistas planejam chegar, nos próximos meses, a uma vacina. Primeiro, ela será testada em camundongos. Caso os testes tragam bons resultados, a expectativa é de que possa ser aplicada em pacientes em até um ano e meio.

A vacina dos brasileiros busca recriar uma parte da proteína do vírus. A técnica se baseia no uso de partículas semelhantes a vírus (VLPs, na sigla em inglês de virus like particles) — tal semelhança faz com que sejam facilmente reconhecidas pelas células do sistema imunológico.

Desta forma, segundo os estudos brasileiros, as VLPs — que não têm material genético do vírus, o que impossibilita a replicação — são introduzidas no sistema imunológico junto com os antígenos (substâncias que fazem com que o sistema imunológico produza anticorpos).

Assim, auxiliam na produção de uma resposta do organismo ao novo coronavírus.

Vamos vencer juntos

Mundo tem mais de 6 milhões de pessoas recuperadas da Covid-19

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Divulgação

Segundo levantamento da universidade americana Johns Hopkins, até o início da noite deste sábado (4), mais de 6 milhões de pessoas se recuperaram da Covid-19 em todo o mundo.

Ainda de acordo com os dados, o mundo contabiliza 11.159.301 casos do novo coronavírus, com 527.827 mortes.

O Brasil lidera as estatísticas com 984.615 pacientes recuperados desde o início dos casos. Os Estados Unidos ocupam o segundo lugar mundial, com 883.561 pessoas que venceram a Covid-19.

Em terceiro lugar, aparece a Rússia, com 446.127 altas notificadas. Índia (394.227) e Chile (253.343) aparecem na sequência no total de pacientes recuperados.

Vamos vencer essa guerra juntos. Por favor, continue em casa!

Se precisar sair, use máscara.

Continuar lendo

De novo, China?

China alerta para possível novo “vírus pandêmico” em porcos

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Jason Lee/Reuters

Um novo vírus de gripe encontrado em porcos chineses se tornou mais infeccioso para humanos e precisa ser monitorado com atenção devido ao seu potencial para se tornar um “vírus pandêmico”, disse um estudo, mas especialistas disseram que não existe nenhuma ameaça iminente.

Uma equipe de pesquisadores chineses analisou vírus de gripe encontrado em porcos entre 2011 e 2018 e encontrou uma cepa “G4” do H1N1 que tem “todas as características essenciais de um candidato a vírus pandêmico”, de acordo com o estudo publicado no periódico científico norte-americano Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

Trabalhadores de criadouros de porcos também apresentaram níveis elevados do vírus no sangue, disseram os autores, acrescentando que “o monitoramento atento em populações humanas, especialmente trabalhadores da indústria de carne suína, deveria ser implantado com urgência”.

O estudo ressalta os riscos de os vírus cruzarem a barreira das espécies e contaminarem humanos, sobretudo em regiões densamente povoadas da China, onde milhões vivem perto de fazendas, criadouros, matadouros e mercados de produtos frescos.

Acredita-se que o novo coronavírus que se alastra pelo mundo se originou no morcego-de-ferradura-pequeno do sudoeste da China e que pode ter passado para humanos em um mercado de frutos do mar da cidade central de Wuhan, onde o vírus foi detectado pela primeira vez.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) analisará o estudo chinês com cuidado, disse seu porta-voz, Christian Lindmeier, em uma coletiva de imprensa em Genebra nesta terça-feira (30), dizendo que é importante colaborar com descobertas e se manter a par das populações de animais.

“Também ressalta que não podemos baixar a guarda diante da gripe e que precisamos ficar atentos e manter a vigilância mesmo durante a pandemia de coronavírus”, acrescentou.

Ainda nesta terça-feira (30), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse em uma coletiva de imprensa diária que seu país está acompanhando os acontecimentos atentamente. “Tomaremos todas as medidas necessárias para evitar a disseminação e o surto de qualquer vírus”, disse.

O estudo disse que os porcos são considerados “recipientes de mistura” importantes para a geração de vírus pandêmicos de gripe e pediu uma “vigilância sistemática” do problema.

Continuar lendo

Ponto mais frio da Terra

Temperaturas do Polo Sul estão subindo rapidamente, diz estudo

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

As temperaturas estão subindo rapidamente no Polo Sul, considerado o ponto mais frio da Terra. Tão rápido que Kyle Clem e outros pesquisadores do clima começaram a se preocupar e se perguntar se a mudança climática causada pelo homem está desempenhando um papel maior do que o esperado na Antártida.

Dados de temperatura mostram que o aquecimento da região desolada foi três vezes a taxa de aquecimento global nas últimas três décadas até 2018, o ano mais quente do Polo Sul já registrado, disseram os pesquisadores em um estudo publicado nesta segunda-feira (29) na revista Nature Climate Change.

Observando dados de 20 estações meteorológicas na Antártida, a taxa de aquecimento do Polo Sul foi sete vezes maior que a média geral do continente.

O aquecimento do Polo Sul está parcialmente ligado ao aumento natural das temperaturas no Pacífico tropical ocidental, sendo impulsionado para o sul por ciclones nas águas geladas do Mar de Weddell, disseram os pesquisadores.

Mas esse padrão, que se acredita ser parte de um processo natural de várias décadas, explica apenas algumas das tendências de aquecimento. O restante, disseram os pesquisadores, foi devido às mudanças climáticas induzidas pelo homem.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2020 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agências Internacionais, assessorias de imprensa e colaboradores independentes. #FakeNewsNão