Curta nossa página

Saúde é o que interessa

Brasileiro muda hábitos e busca uma alimentação mais saudável

Redação

Publicado

Foto/Imagem: Pixabay


No próximo dia 16 de outubro comemora-se o Dia Mundial da Alimentação. Levantamento feito pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aponta que oito em cada dez brasileiros afirmam que se esforçam para ter uma alimentação saudável. Já 71% dos entrevistados apontam que preferem produtos mais saudáveis, mesmo tendo que pagar um pouco mais caros por eles. Pesquisas do Ministério da Saúde mostram também que o hábito alimentar do brasileiro vem mudando nos últimos anos. O mercado de alimentação saudável cresceu quase 100% no país entre 2009 e 2014, e em 2015 movimentou mais de US$ 27 bilhões, o que coloca o Brasil no quinto lugar no ranking de vendas de produtos alimentícios saudáveis para o consumo.

Assim como tem crescido o número de pessoas preocupadas com a qualidade da alimentação, aumentou também o número de restaurantes empenhados em servir pratos mais saudáveis aos clientes. De um lado franquias do segmento de alimentação saudável se estabelecem e se expandem em grande velocidade, do outro, redes de fast food investem para se adaptar às novas tendências de consumo.

Para o nutricionista Daniel Novais, alimentar-se de forma saudável proporciona equilíbrio em nosso corpo. “A alimentação saudável traz um menor risco de sofrer infecções e inflamações, mantendo alto o nível de defesa e proteção. Investindo em alimentos, não precisamos investir futuramente em remédios”, alerta.

Daniel lista ainda alguns benefícios que a alimentação saudável oferece: mantém o bom funcionamento do organismo, previne doenças, melhora a qualidade de vida, fornece mais energia ao corpo, aumenta a expectativa de vida, melhora a qualidade do sono e auxilia no controle do peso.

Mudanças nos últimos 10 anos

Ainda de acordo com o nutricionista, três mudanças alimentares foram mais significativas nos últimos dez anos.

– Menos refrigerantes e sucos artificiais: os refrigerantes e sucos artificiais vêm perdendo espaço na rotina dos brasileiros. Em 2007, uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde mostrou que 30,9% dos brasileiros tomavam essas bebidas em cinco ou mais dias da semana. Em 2016, esse índice caiu para 16,5%.

– Mais frutas e hortaliças: os brasileiros aumentaram um pouco o consumo de frutas e hortaliças (de 33% em 2008 para 35,2% em 2016). O resultado significa que apenas um em cada três adultos come frutas e hortaliças em cinco ou mais dias da semana.

– Menos feijão: o consumo de feijão está em clara queda desde de 2012. O número de brasileiros que comem feijão regularmente caiu de 67,5% em 2012 para 61,3% em 2016.

Origem da data

O Dia Mundial da Alimentação foi estabelecido em 1979 pelos países membros 20ª Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Estima-se que o número de habitantes do planeta vai ultrapassar os nove bilhões de pessoas em 2050 e que a produção mundial de alimentos vai ter de aumentar em 60% para conseguir atender às necessidades alimentares da população mundial. Por isso, neste dia realizam-se muitas atividades relacionadas com a nutrição e a alimentação, com a participação de cerca de 150 países. Entre os objetivos do Dia Mundial da Alimentação estão:

  • Alertar para a necessidade da produção alimentar e reforçar a necessidade de parcerias a vários níveis;
  • Alertar para a problemática da fome, pobreza e desnutrição no mundo;
  • Reforçar a cooperação econômica e técnica entre países em desenvolvimento;
  • Promover a transferência de tecnologias para os países em desenvolvimento;
  • Encorajar a participação da população rural, na tomada de decisões que influenciem as suas condições de vida.

Criado em Bogotá, na Colômbia

Prática que ajuda a salvar bebês prematuros completa 40 anos

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Daiane Mendonça

Quando uma criança nasce prematura e abaixo do peso, o bebê é levado imediatamente para a incubadora. Até quatro décadas atrás, esse recém-nascido tinha que ficar isolado da mãe porque os médicos temiam principalmente o risco de infecções. Criado em 1979, em Bogotá, na Colômbia, o Método Canguru tira os bebês desse isolamento e estabelece o protagonismo materno no tratamento neonatal.

Os bebês são colocados em posição vertical no colo da mãe ou do pai, amparados por um tecido, como se fossem filhotes de canguru e podem ficar ali por horas. Não é que as incubadoras passem a ser substituídas, mas essa tecnologia humanizada funciona como um complemento importante no tratamento.

“As incubadoras são muito boas, a tecnologia é muito apropriada para a saúde e a sobrevivência das crianças. O que fizemos foi permitir que as mães entrassem em todos os serviços de recém-nascidos, assim o bebê ficava com a pessoa mais importante para ele,” afirma Hector Martinez, pediatra e criador do Método Canguru. Ele ressalta que a presença da mãe é fundamental para o desenvolvimento do bebê.

Além do vínculo afetivo que é fortalecido com esse contato pele a pele diário, os benefícios da prática incluem regularização da temperatura do bebê – por causa do calor do colo dos pais – e ganho de peso. “O Método Canguru favorece muito o aleitamento materno. Todas as pesquisas realizadas demonstram que os bebês que utilizam o método mamam por mais tempo exclusivamente no peito, e a mãe tem facilidade maior para amamentar,” ressalta a pediatra neonatologista e consultora do Ministério da Saúde, Zeni Lamy. Segundo a especialista, que é uma das precursoras da introdução da prática no Brasil, estudos demonstram que, a longo prazo, ela leva a uma melhor escolaridade e a menos comportamentos de desvios, como o uso de álcool e outras drogas, além da violência.

No Brasil, o Método Canguru é adotado há 20 anos e hoje é utilizado por 200 unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). A mãe fica em um leito próximo ao do bebê e pode ficar com a criança no colo quanto tempo quiser. No mundo, a metodologia está presente em cinco continentes e é uma ferramenta para ajudar os 20 milhões de bebês prematuros que nascem todos os anos.

Continuar lendo

#temquevacinar

Começa hoje (18) a segunda fase da vacinação contra o sarampo

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: iStock

A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo começa nesta segunda-feira (18) em todo o país. As pessoas, na faixa etária de 20 a 29 anos de idade, são o alvo desta etapa.

De acordo com o último boletim epidemiológico sobre sarampo do Ministério da Saúde, esta faixa etária é a que mais acumula número de casos da doença. Nos últimos 90 dias de surto ativo, foram confirmados 1.729 casos em pessoas de 20 a 29 anos.

O secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, disse que um dos motivos é que esse público não tomou a vacina em nenhuma fase da vida e, se tomou, não voltou para aplicar a 2ª dose, necessária para a proteção.

Para atingir essa faixa etária, o ministério adotou algumas estratégias. Uma delas é a realização da segunda fase da campanha de vacinação em locais de grande circulação dessas pessoas. A ação será realizada em conjunto pelas três níveis de governo: federal, estadual e municipal.

Continuar lendo

Alerta do Inca

Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil

Redação

Publicado

Por

Redação
Foto/Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil, doença que é a segunda principal causa de morte por câncer de pessoas do sexo masculino no país – cerca de 14 mil óbitos por ano. Os dados, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), servem de alerta para que os homens não deixem a saúde de lado. Apesar do alto índice da doença, o levantamento mostra que metade dos brasileiros nunca foram a um urologista.

“Infelizmente ainda há muito bloqueio por parte do público masculino em relação ao exame do toque retal. Felizmente, isso tem melhorado um pouco ao longo dos anos. Associado a esse tabu, de ser um exame um pouco mais evasivo, de mexer com a parte da sexualidade masculina, o homem acaba ficando com um pouco mais de receio de ir ao médico”, ressalta Felipe Costa, médico urologista do Hospital do Homem, na capital paulista.

Divulgação/Sociedade Brasileira de Urologia

O câncer de próstata, assim como a pressão alta e o diabetes, é silencioso. De acordo com o médico, a única forma segura de se precaver em relação à doença é a consulta clínica. Homens a partir dos 50 anos devem realizar o exame anualmente.

“Há grupos com fator de risco maior para o câncer de próstata: são os negros e aqueles indivíduos que têm história na família com câncer de próstata abaixo dos 60 anos. Para essas pessoas, a partir dos 40 ou 45 anos, eles já devem ter um acompanhamento direcionado para diagnosticar a doença”, ressalta o médico.

Doença lenta

O câncer de próstata, na maioria dos casos, cresce lentamente, não causa sintomas e, no início, pode ser tratado com bastante eficácia. Em outros casos, no entanto, pode crescer rapidamente, espalhar-se para outros órgãos e causar a morte.

“O exame é extremamente rápido, é feito com anestésico local, de uma forma que provoque menos incômodo para a pessoa. Ainda hoje é uma das formas mais seguras e eficientes que a gente tem para poder diagnosticar o câncer de próstata na forma mais inicial”, destaca o médico.

Além do exame preventivo, os médicos recomendam que sejam evitados outros fatores, já conhecidos facilitadores da doença, como alimentação pobre em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais; sedentarismo, consumo de álcool e tabaco.

Segundo o Ministério da Saúde, estimativas apontam que ocorreram 68.220 novos casos da doença em 2018. Esse número corresponde a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens.

A próstata é uma glândula presente apenas nos homens, localizada na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a parte superior da uretra (canal por onde passa a urina). A próstata não é responsável pela ereção nem pelo orgasmo. Sua função é produzir um líquido que compõe parte do sêmen, que nutre e protege os espermatozoides. Em homens jovens, a próstata possui o tamanho de uma ameixa, mas seu tamanho aumenta com o avançar da idade.

Continuar lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana

Copyright © 2015-2019 AVB - AO VIVO DE BRASÍLIA - Todos os Direitos Reservados. CNPJ 28.568.221/0001-80 - SIG Quadra 01, Lote 385, Platinum Office, Sala 117 - Brasília-DF - Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores.