Curta nossa página

Ricardo Fenelon

Algumas dicas para prevenir o ressecamento da pele no inverno

Redação
Dermatologista Ricardo Fenelon/Hermínio Oliveira


A estação mais fria do ano está chegando e é normal, nessa época, o aparecimento de problemas de pele como: caspas, alergias, vermelhidão, coceira, descamação, ressecamento, entre outros sintomas que necessitam de cuidados redobrados. Em Brasília, o clima seco e frio costuma logo a dar sinais na pele. “É comum que nessa estação do ano as pessoas tomem banhos mais quentes e demorados, o que diminui a proteção da pele, deixando-a mais sensível e suscetível a doenças”, explica o dermatologista Ricardo Fenelon.

A oleosidade natural da pele é importante para proteger o corpo do frio, da penetração das bactérias, fungos, vírus, poluentes do ar e do contato com fatores que podem causar irritação. “Beber muita água e comer alimentos como frutas e verduras contribuem para uma pele saudável. O uso de cremes em todo o corpo também ajuda – e muito – na hidratação, principalmente evitando a aparência esbranquiçada” diz o dermatologista.

Outra dica é usar substâncias como óleo de amêndoa, glicerina ou vaselina. São soluções caseiras que podem perfeitamente substituir cremes e loções industrializadas. Mesmo com as baixas temperaturas, é importante usar filtro solar, pois neutraliza os efeitos nocivos dos raios UVA e UVB, principais causadores de câncer de pele.

Doenças de inverno

Dermatite seborreica – É necessário ficar atento com o aparecimento de placas avermelhadas descamativas ou descamação esbranquiçada no couro cabeludo (caspa), supercílios, região central do rosto e tórax. O excesso de oleosidade nas regiões do corpo onde existe maior concentração de glândulas sebáceas é o principal sintoma da dermatite seborreica. É uma doença inflamatória da pele não contagiosa. Entre os sintomas: intensa produção de oleosidade, descamação e coceira. Com medicamentos aplicados na pele e no couro cabeludo é possível tratar o problema.

Como evitar/controlar:

  • O uso de xampu anticaspa ajuda a amenizar o problema;
  • A dermatite seborreica pode piorar em quem usa bigodes e barbas;
  • Evite perfumes, cremes e sabonetes muito perfumados.

Dermatite atópica (ou eczema atópico) – É uma alergia crônica, sendo comum em crianças, que ocorre pela falta ou deficiência de hidratação do organismo. O principal sintoma é a coceira e lesões na pele. Na infância as lesões são avermelhadas e escamam, normalmente nas bochechas, braços e pernas. Nos adolescentes e adultos, aparecem nas áreas de dobras da pele, como atrás dos joelhos, pescoço e braços. A pele destes locais torna-se mais grossa, áspera e escura. O tratamento adequado com corticóides, cremes hidratantes, sabonetes especiais e antialérgicos podem controlar e combater o ressecamento, reduzindo a inflamação e o reaparecimento dos sintomas.

Como evitar/controlar:

  • O banho deve ser morno para frio, com uma duração média de 5 a 10 minutos;
  • Nas crises, reduza as atividades físicas que provocam muita sudorese;
  • Evite usar muito sabão em pó e amaciante para lavar a roupa e faça dois enxágües.

Publicidade

Cidades

Detran-DF oferece cursos de reciclagem e para instrutores

Redação

em

Publicado por

Shutterstock

O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) dará início, no próximo dia 10 de dezembro, aos cursos de Atualização de Instrutor de Trânsito e de Reciclagem de Condutor Infrator. As inscrições estão abertas até o dia 7 de dezembro e poderão ser feitas presencialmente, de segunda a sexta-feira das 7h30 às 18h30, na Escola Pública de Trânsito, na 906 Sul, ao lado do Colégio La Sale.

Atualização de Instrutor de Trânsito

Destinado aos instrutores teóricos e práticos que trabalham no processo de formação de novos condutores, este curso ocorrerá entre os dias 10 e 14 de dezembro. Estão sendo oferecidas 30 vagas e as aulas serão ministradas, das 18h30 às 22h, na própria Escola Pública de Trânsito. Para se inscrever, o interessado deverá se apresentar na EPT com a CNH, o certificado do curso de Instrutor e pagar uma taxa de R$ R$ 127,00.

Reciclagem de Condutor Infrator

Com 20 vagas, este curso é exclusivamente para condutores que tiveram o direito de dirigir suspenso. As aulas serão realizadas entre os dias 10 e 19 de dezembro, das 8h15 às 11h45, no Detran do Gama, situado na Avenida Contorno, lote 03, Setor Norte. Para fazer a inscrição, o condutor deve levar à EPT um documento de identificação com foto bem conservada, o Termo de Recolhimento da CNH e pagar uma taxa de R$ 219,00.

Continuar lendo

Cidades

Codhab convoca habilitados para atualização de cadastro

Redação

em

Publicado por

Nilson Carvalho/Agência Brasília

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) convoca todos os 138 mil candidatos habilitados na faixa 1, com renda de até R$ 1,8 mil, para envio de documentos e comprovação de dados cadastrais, conforme os critérios previstos na Lei nº 3.877/2006.

O envio de documentos somente poderá ser pelo aplicativo, disponível para iOS e Android. A partir desta sexta-feira (16), os inscritos receberão uma notificação, na tela do celular, informando a convocação. No entanto, o envio só será liberado a partir do dia 26 de novembro, e vai até 24 de maio de 2019.

Após enviar, os convocados deverão aguardar a análise dos dados. Quem não atender à convocação no prazo estabelecido passará para a condição de “convocado não habilitado”, devendo aguardar o próximo recadastramento para fazer novas inscrições.

Ao acessar o aplicativo, o candidato deverá clicar em Usuário e fazer o login, com CPF e senha. Depois, os candidatos deverão acessar o ícone Habilitação, que estará em azul, e seguir os passos indicados pela ferramenta.

Os atendimentos para quem tiver dúvidas continuam sendo feitos nos postos de assistência técnica e no posto do Na Hora da Rodoviária. A equipe do posto de atendimento da 112 Sul, destinado a pessoas com deficiência e idosos, também auxilia na atualização cadastral.

O habilitado deve levar seu aparelho celular para ser orientado sobre como usar o aplicativo.

Continuar lendo

Cidades

DF registra desigualdade social maior que restante do país

Redação

em

Publicado por

Gabriel Jabur/Agência Brasília

A visão de que Brasília é uma ilha da fantasia, onde se vive em condição muito melhor do que em outras partes do país, é uma ideia que desconsidera a maioria da população do Distrito Federal, defende o cientista político Lúcio Rennó, presidente Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan). O órgão é responsável, entre outras atribuições, por estudos e análises sociais, econômicas, demográficas, além de avaliar políticas públicas para o governo do DF.

O Distrito Federal registra desigualdade maior do que o resto do país e da região Centro-Oeste. O Índice de Gini – medida de desigualdade que varia de 0 a 1 (0 é o ideal de igualdade e 1 é o pior grau de desigualdade) – foi 0,602 em 2017, enquanto no país o índice foi 0,549 e no Centro-Oeste, 0,536. Os dados fazem parte do estudo Projeções e Cenários do DF.

“Quem fala que é uma ilha da fantasia está se referindo às regiões administrativas do Plano Piloto, do Lago Sul e do Lago Norte – esse centro muito pequeno do Distrito Federal onde há uma população que sim tem uma renda diferenciada da média do Brasil, uma alta qualidade de vida”, afirma Segundo Lúcio Rennó.

Um dado ilustra a desigualdade. Em 2017, caiu o número de pessoas que usaram ônibus em cerca de 9%. No mesmo ano, cresceu em 3,11% a frota de carros emplacados do DF.

Segundo Rennó, de um lado estão pessoas com dificuldades para pagar a passagem de ônibus, R$ 10 ida e volta das regiões administrativas antigamente chamadas “cidades-satélites” e o Plano Piloto, de outro estão os cidadãos que podem comprar carro novo. Mantida a tendência de aquisição de automóvel, em 2025 a taxa de pessoa por carro será menos que um passageiro e um motorista (taxa de 1,6).

Demandas Sociais

Além da mobilidade, a capital federal do Brasil terá de fazer grande esforço zerar problemas de assistência à saúde, universalizar a educação básica e resolver o déficit habitacional.

Conforme os dados da Codeplan, a cidade precisa criar 70,5 mil creches para atender todas as crianças de 0 a 3 anos até 2024 e atingir metas nacionais de educação. No mesmo período, para pré-escola (4 e 5 anos) serão necessárias 16,5 mil vagas; e para o ensino médio, 43,9 mil vagas. As projeções não identificaram necessidade de vagas para outros níveis de ensino.

No caso das metas de atendimento da saúde pública, há necessidade de ampliação da oferta de mais 550 leitos até 2025; da contratação de 50 equipes de saúde da Família (com médico, enfermeiro, auxiliar e agentes de saúde), e da contratação de quase 200 equipes para saúde bucal.

O cálculo da Codeplan é de que o déficit habitacional esteja em 2020 em 126 mil domicílios e possa chegar a 133,8 em 2025.

A Codeplan prevê aumento expressivo e acelerado do número de pessoas idosas no DF. Em 2015, haviam 35,7 pessoas com 60 anos ou mais para cada grupo 100 crianças e jovens. Em 2025, a relação será de 75,2 para cada grupo 100 crianças e jovens.

Ocupação, crescimento e arrecadação

Se as necessidades assistência à população em diferentes áreas é dada como certa, não há sinal seguro na economia de que nos próximos anos Brasília consiga ter intenso crescimento econômico, geração de emprego e aumento de arrecadação para atender as demandas sociais da população.

Segundo a Codeplan, até 2022 a arrecadação deverá crescer 1,8% ao ano (2,5% em cenário otimista e 1,1% em cenário pessimista). A desocupação deverá permanecer na casa de dois dígitos nos próximos quatro anos. Num cenário otimista, 11,2% não terão nem emprego nem trabalho informal no DF em 2022. Em perspectiva pessimista, a desocupação chegará a 20,5.

Naquele ano, o Produto Interno Bruto do DF crescerá no máximo a uma taxa de 3,87%; no mínimo, 2,78%.

Continuar lendo
Brasília, 17 de novembro de 2018

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas da Semana